Migrate à toda no Uruguai. Foto: divulgação.

A gaúcha Migrate, desenvolvedora de soluções fiscais e de nota eletrônica, elegeu o Uruguai como a porta de entrada para a internacionalização de seus produtos, em um projeto iniciado em 2012 e que já rendeu bons resultados até agora.

Fornecendo sua solução através do modelo parcerias de integração com software houses uruguais, a empresa já tem acordos com cerca de 15 empresas do país, já atingindo 16% 16% das empresas enquadradas no calendário de obrigatoriedade utilizando o InvoiCy como solução para a emissão de Factura Eletrónica (nome dado à novidade pelo governo local).

Segundo o sócio e diretor de mercado da Migrate, Adilson Weddigen, à medida que o governo uruguaio estender a obrigatoriedade para empresas de médio e pequeno porte, a empresa estima um crescimento ainda maior.

"No Uruguai existe um ecossistema de 127 mil companhias, sendo que cerca de 100 mil delas são micro e pequenas empresas. Vemos um grande potencial de crescimento neste segmento", afirma Weddigen.

Desde o dia 01 de março, quando empresas de grande porte passaram a ter que emitir obrigatoriamente a CFE, conquistaram clientes importantes Chery, Montevideo Shopping, Hotel Argentino, Cibeles, Multimotors (revenda Ford, Porsche, Land Rover, Volvo e Jaguar), Motorhaus (revenda BMW), entre outras.

Outras empresas que estão em processo de integração e postulação são: Upostal, Italcred, Tresul, Pontyn, Coliman, Fortune, HDI Seguros, Montidel, Molinos Puritas, Uliren, Sapol, Cabaña la Constancia e CPS (Coperativa Prevision Social).

Até o momento, a Migrate já tem cerca de 2.856 licenças negociadas com clientes uruguaios. Segundo Weddigen, os números ainda não representam um lucro significativo para a empresa.

"Esses números se deve a qualidade do produto e suporte aliado ao modelo comercial agressivo, o que agregou valor ao ERP dos parceiros trazendo crescimento nas vendas", destacou.

Por já possuir a expertise no assunto, devido a já atuar com estas soluções no mercado brasileiro, a empresa chegou ao país com parceiros de peso, contando com o apoio da consultoria Deloitte, Montevideo.com e a Artec, responsável pela plataforma de desenvolvimento GeneXus e maior empresa de TI do país.

"Com a utilização de factura eletrónica, o InvoiCy apresentou-se como uma excelente opção para as software houses e empresas, permitindo a adaptação às exigências legais de forma rápida e tranquila", avaliou Weddigen.

Ao integrar o InvoiCy com soluções de desenvolvedores uruguaios, a Migrate espera levar sua solução também para outros mercados latinos, como Chile, Peru, Equador, Colômbia e Argentina.

"No Uruguai é difícil os desenvolvedores locais venderam somente para clientes dentro de seu país. Portanto, estimamos também que podemos atingir clientes em outros países de língua espanhola", destacou o executivo da Migrate.

Ao basear o seu modelo de negócios diretamente com as fábricas de softwares, a estratégia da Migrate é envolver poucos custos no suporte de sua solução, deixando isso para as software houses. A empresa faz isso de forma remota.

"O relacionamento direto com as empresas uruguaias fica por conta de duas pessoas: eu e um gerente de contas. Este suporte acaba sendo mais de estratégia e marketing do que exatamente de tecnologia", afirma Weddigen.

Com sua fábrica de software em 3 de Maio, na região norte do Rio Grande do Sul, a empresa conta com uma equipe de 50 pessoas e tem mais de 250 software houses nacionais usando suas soluções.