João Carlos de Oliveira, presidente da GS1 Brasil. Foto: Divulgação.

A Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) agora integra o grupo de convidados externos para a construção do novo Plano Diretor da Embrapa (VII PDE). 

Com isso, a entidade pretende contribuir com o desenvolvimento de pesquisas de sistemas de automação, além de promover padrões GS1 de identificação em produtos agrícolas, com a finalidade de aumentar a qualidade dos alimentos produzidos no país.

“A automação bem orientada proporciona o diferencial competitivo a todos os empresários, pois racionaliza processos, eleva a produtividade e diminui custos”, diz João Carlos de Oliveira, presidente da GS1 Brasil. 

Na agricultura, os padrões GS1 (códigos de barras são os mais conhecidos) dão início à identificação única e inequívoca de cada produto do campo, proporcionando processos orientados à rastreabilidade em toda a cadeia de abastecimento, desde o produtor até o consumidor. 

Há uma parceria da associação com a Confederação Nacional de Agricultura (CNA) para atender pequenos agricultores na criação de um sistema de rastreabilidade em folhas, legumes e vegetais. A exigência da rastreabilidade desses produtos faz parte da Instrução Normativa Conjunta (INC) n° 2, de 08/02/18, da Anvisa e do Mapa.

Outra parceria da entidade é com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Nesse caso, o trabalho deu origem ao selo de importação que identifica cada fardo de algodão exportado e agrega mais valor ao produto.

A Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) é uma organização multissetorial sem fins lucrativos que representa nacionalmente a GS1 Global. Em todo o mundo, a GS1 é responsável pelo padrão global de identificação de produtos e serviços (Código de Barras e EPC/RFID) e comunicação (EDI e GDSN) na cadeia de suprimentos. 

No Brasil, a organização tem 58 mil associados.