Vendas de PCs no Brasil não foram as melhores no 3T12. Foto: flickr.com/photos/qole

Tamanho da fonte: -A+A

Um levantamento divulgado pelo IDC nesta sexta-feira, 30, registrou uma inesperada queda de 0,3% das vendas de computadores no terceiro trimestre de 2012 em relação ao mesmo período em 2011.

A surpresa, segundo a entidade, vem do fato de que o terceiro trimestre é bastante aquecido para o mercado de PCs, justamente porque o varejo se abastece para atender a demanda das vendas de final de ano.

No entanto, conforme aponta o estudo Brazil Quarterly PC Tracker, o país comercializou 4,05 milhões de PCs, crescimento de apenas 1,9% sobre o segundo semestre.

Mas isso, de certa forma, já era esperado, afirma o IDC. Durante os seis primeiros meses de deste ano, o mercado brasileiro de computadores apresentou resultados aquém do esperado por fabricantes, canais e demais agentes envolvidos no negócio.

No início do ano, a expectativa era de um crescimento na casa dos 15% na comparação entre o terceiro trimestre de 2011 e de 2012.

No terceiro trimestre de 2012, 61% dos computadores comercializados no Brasil foram notebooks e 39% de desktops.

A proximidade de preços entre notebooks e desktops orienta a preferência, principalmente dos usuários domésticos pelos dispositivos portáteis.

O consumo de dispositivos pelo segmento doméstico ainda domina o mercado, com o segmento corporativo ocupando uma fatia de 25% e governo e educação ficando com os 10% restantes.

IMPACTO EXTERNO

Apesar dos baixos resultados em abrangência nacional, nota-se que mundialmente as taxas de diminuição em termos de consumo são ainda mais expressivas, visto que houve uma queda de 7,9% quando comparado o terceiro com o segundo trimestre deste ano.

Entre os países do BRIC, Rússia obteve decréscimo de 0,5%, Índia apresentou queda de 5,4% e China teve diminuição de 0,2%.

O mercado brasileiro de PCs segue ligado à variação do dólar, pela grande cautela do setor privado face com a crise internacional, assim como a retração da demanda interna, conforme destaca Camila Santos, analista da IDC Brasil.

A expectativa para o mercado de PCs em 2012 é de um crescimento de apenas 2%.

No entanto, segundo o instituto, a oferta de tecnologias como o Windows 8 e ultrabooks com preços acessíveis, além dos investimentos em eventos esportivos, podem aquecer o mercado nacional em médio e longo prazo.