CPM e IBM AO FUNDO

CEF lança banco de investimento

30/08/2012 11:03

Operação terá suporte tecnológico da CPM Braxis, da qual a CEF comprou 24% de participação, e de uma joint venture formada com a IBM.

Jorge Hereda. Foto: Flickr.com/agenciasenado

Tamanho da fonte: -A+A

A Caixa Econômica começa em outubro a operar um banco de investimento, voltado ao crédito rural e financiamento de exportações.

A instituição aguarda autorização do Banco Central, mas já se sedimenta nas bases: em tecnologia, por exemplo, comprou 24% da CPM Braxis, do grupo francês Capgemini, em maio deste ano, com investimento de R$ 321 milhões.

Além disso, a CEF criou uma joint venture com a IBM para desenvolver sua plataforma digital de crédito imobiliário.

A joint venture, já aprovada pelo BC e CADE e ainda sem nome, foi firmada por meio da CaixaPar e Funcef (fundo de pensão dos economiários), dando à fabricante norte-americana 51% do capital.

Na sexta-feira, 31, os três sócios vão aportar R$ 110 milhões para integralizar parte do capital social da nova empreitada, que pode chegar a R$ 170 milhões.

A companhia tem controle privado, o que a faz livre de restrições impostas pela Lei de Licitações, e já nasce com um contrato de R$ 1,19 bilhão com a Caixa.

A nova plataforma, criada pela joint venture, será disponibilizada em rede para que clientes interessados em financiamentos imobiliários possam solicitá-los online, sem precisar ir ao banco – a não ser no ato de assinatura do contrato.

“Trabalhamos para ampliar e facilitar o acesso à moradia”, comenta o presiente da CDF, Jorge Fontes Hereda, segundo quem a Caixa contratou, até esta semana, R$ 63,1 bilhões em crédito imobiliário, relativos a mais de 700 mil contratos, 32,1% a mais do que no mesmo período do ano passado.

Para o presidente da IBM no Brasil, Rodrigo Kede, a nova plataforma moderniza o sistema de crédito imobiliário com tecnologia de ponta em gerenciamento de dados.

“Isso com um nível de precisão e rapidez único no mercado brasileiro”, afirma Kede.

CPM BRAXIS
No que tange à CPM Braxis, que segundo dados de sua dententora, a francesa Capgemini, é a segunda maior empresa de TI do mundo, a compra de participação é focada na modernização de “toda a tecnologia de informação do banco”, segundo Hereda.

Por hora, não há mais detalhes sobre esta modernização, mas o presidente adianta os objetivos da mudança.

“A meta é ser um dos três maiores bancos do país em dez anos, com atuação em todas as áreas”, comenta.

Hoje, a CEF está na quarta posição.

Veja também

CEF fecha contrato de R$ 9,3 mi com CPM
A CPM Braxis foi contratada pela Caixa Econômica Federal para prestar serviços de manutenção nos 3,5 mil equipamentos de telecomunicação do banco.

O contrato de R$ 9,3 milhões tem duração de dois anos, podendo ser renovado até o fim de 2014.

O escopo do trabalho engloba a manutenção de equipamentos da rede, atualizações de software e suporte técnico em todo o território nacional.
CPM vai ser fábrica de software do Unibanco
A CPM ganhou uma licitação, entre 16 empresas de TI, para ser a fábrica de software do Unibanco. Com o resultado, a empresa passa a ser parceira de negócios do banco. Cerca de 140 das 500 maiores companhias atuantes no Brasil usam os serviços da CPM, que faturou 525 milhões em 2003.
F&A
CaixaPar adquire fatia de 22% na CPM

Com mais 22%, a CaixaPar vai se consolidar como a segunda maior acionista da companhia, reduzindo o share da Capgemini.

CPM Capgemini certificada Cisco Connected Grid

A CPM Braxis Capgemini acaba de receber a certificação Cisco Connected Grid, que a habilita a comercializar todas as linhas de produtos e serviços Smart Grid da empresa.

De acordo com Gustavo Trevisan, diretor de Networking Solution da CPM Braxis Capgemini,

A companhia é a primeira do Brasil e quarta em todo o mundo a receber essa habilitação, segundo seu diretor de Networking Solution, Gustavo Trevisan.

Avanade, Intel e CPM Braxis são Top Employers

Avanade, Intel e CPM Braxis são os três representantes do mercado de TI na primeira edição do ranking Top Employers no mercado brasileiro.

CPMC retoma no RS. TI local na mira

A CPMC Celulose Riograndense retomou o plano de investimentos que pode injetar até US$ 2,5 bilhões no estado, gerando 2,5 mil empregos na planta da empresa em Guaíba, em alguns anos.

O anúncio, feito três anos após a companhia suspender o aumento de capacidade de produção no estado, pode beneficiar a TI gaúcha.

CEF quer 10% da Cielo

A Caixa Econômica Federal está negociando a compra de participação na Cielo, com objetivo de ter pelo menos 10% do capital da líder em meios de pagamento eletrônico no Brasil.

A informação foi dada por uma fonte familiarizada com o assunto à agência Reuters.