Ailton Brandão. Foto: divulgação.

A Kroton Educacional investiu bastante nos últimos anos em uma expansão através de aquisições, que escalou sua base de alunos e colaboradoras de algumas dezenas de milhares para mais de um milhão em todo o país. Para atacar o desafio de integrar o aumento de dados, a empresa adotou uma plataforma usando tecnologias da Informatica, multinacional do setor de TI.

O projeto da Kroton envolveu a criação da plataforma K-Hub, camada de dados criada sobre os mais de 50 aplicativos de gestão educacional usados pelas diferentes instituições que compõem a rede de ensino.

Segundo Ailton Brandão, CIO da Kroton Educacional, o projeto foi realizado no ano passado, em decorrência de duas grandes aquisições: a paranaense Unopar e a Anhanguera.

De acordo com o CIO, a parte da administração educacional representou o maior desafio após as fusões e aquisições, em que o ritmo de crescimento superou a capacidade de entrega das demandas pelo setor de TI.

"Precisávamos de uma solução rápida para centralizar todas as informações acadêmicas e administrativas, sem interromper o andamento das operações em nossas unidades", afirmou o executivo.

Pelo Projeto K-Hub, a Kroton usou três soluções da Informatica: ETL (Extract, Transform and Load), MDM (Master Data Management) e Data Quality, cada um representando uma parte do processo de gestão de dados.

Com estas aplicações a entidade conseguiu criar com maior agilidade cadastros mestres para alunos, professores, unidades e disciplinas, assim como implantou ferramentas de limpeza de dados e permitiu a adoção de barramento SOA (Service-Oriented Architecture) para a integração de informações.

“Antigamente tínhamos projetos que demandavam esforços de TI enormes. Era necessário parar várias equipes internas para desenvolver e customizar interfaces. Agora uma integração que antes levaria três meses de desenvolvimento é realizada agora em 15 dias”, explica o executivo.

Conforme destaca Brandão, o K-Hub foi a solução a curto prazo para a companhia em seu crescimento via fusões e aquisições - somente na Unopar e Anhanguera a empresa investiu cerca de 22 bilhões. Além disso, a empresa comprou outras instituições menores como a Uniasselvi, um negócio de R$ 500 mil.

"Estamos desenvolvendo internamente uma solução única de gestão educacional, que será gradualmente implementada em todas as nossas unidades. Nosso plano é já contar com esta nova aplicação em 2016", complementou Brandão.

Na parte financeira e fiscal, Brandão revelou que a empresa rapidamente integrou suas unidades com o uso do Protheus, ferramenta ERP da Totvs.

Por falar em deixar soluções antigas para trás, vale lembrar que a Anhanguera anunciou em 2009 um ambicioso (e caro) projeto de modernização em sua gestão, usando o software PeopleSoft, da Oracle.

Entretanto, perguntado pela reportagem do Baguete, Brandão afirmou que a instituição adquirida não usava a aplicação da Oracle, e os softwares de gestão que operam atualmente debaixo da camada do K-Hub nas unidades Anhanguera são soluções internas.

No ano passado, a Kroton Educacional também investiu na ampliação de sua infraestrutura de TI com o uso do Oracle Exadata Database Machine, em uma consultoria feita pela gaúcha Service IT.

A implantação, de valor não aberto, envolveu a aquisição de um Oracle Exadata Database Machine X4-2 Half, com capacidade para suportar não só o atual ambiente da Kroton, como também a incorporação de todo o ambiente da Anhanguera.

Além disso, a empresa investiu na padronização do seu parque de firewalls, passando todas suas unidades para o sistema Dell SonicWALL. A implementação foi feita pela Picture Soluções em TI, que também assume o gerenciamento 24x7 dos equipamentos.

O grupo Kroton atende a mais de 1,3 milhão de alunos no ensino superior, nas modalidades de ensino presencial e a distância, em cerca de 130 campi e 726 pontos de educação à distância. 

Em 2014 a empresa teve um lucro de R$ 1 bilhão, crescimento de 93,8% sobre o contabilizado no ano anterior, resultado direto das receitas provenientes das novas aquisições. A receita do grupo no ano foi de R$ 1,23 bilhão, 137,2% acima do que teve em 2013.