A aceleradora Jump Brasil, do Porto Digital, selecionou cinco startups para aceleração. Foto: Divulgação.

A aceleradora Jump Brasil, ligada ao parque tecnológico recifense Porto Digital, divulgou as startups escolhidas para sua primeira turma de aceleração. São cinco empresas: Teslabit, Epitrack, Archimedes, Fast e Clapme.

Para chegar ao resultado, representantes do Porto Digital, do Instituto Talento Brasil (ITB) e investidores assistiram a pitches das 14 startups pré-selecionadas.

Segundo Souza, os aspectos observados pela banca para tomar a decisão foram a inovação da solução apresentada, o modelo de negócios, o tamanho do mercado, o retorno esperado e a capacidade de execução do time.

"Das cinco empresas selecionadas, temos soluções que atacam mercados interessantes como o de energia, saúde, produtividade, educação e entretenimento. O destaque é para Clapme que é de São Paulo e está fazendo o movimento 'inverso' ao optar ser acelerada em Recife", relata Pedro Souza, gestor da aceleradora.

A Clapme é uma plataforma de transmissão online de shows que tem 100 mil usuários cadastrados, dos quais 10 mil são artistas e bandas. O fundador da startup é Filipe Callil. Formado em jornalismo, ele trabalhou na TV Record entre 2009 e 2013.

Já a Teslabit é uma empresa de serviços de gestão energética. A startup fornece, em tempo real, dados relativos à energia consumida. Seu co-fundador, Rodrigo Paiva, já foi consultor de segurança da informação da Morphu e analista de Suporte do Estaleiro Atlântico Sul.

A startup Epitrack atua na área de saúde, focada em vigilância epidemiológica em dispositivos móveis, detecção digital de doenças e treinamento para epidemiologistas. Graduado em biomedicina, o fundador da empresa, Onicio Leal Neto, foi consultor do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Pernambuco.

Focada em educação, a startup Archimedes desenvolveu um sistema avaliativo integrado para faculdades e escolas. 

Enquanto isso, a Fast é especializada no desenvolvimento de software para diversas plataformas e também em consultoria em gestão da inovação. O fundador da empresa, Henrique Ferreira, é mestre em ciência da computação pela Universidade Federal de Pernambuco.

O Porto Digital reúne 200 empresas que empregam mais de 6,5 mil pessoas. Sua atuação está focada em software e serviços de TIC e economia criativa, em especial os segmentos de games, multimídia, cine-vídeo-animação, música, design e fotografia, além de publicidade.