Crescimento do PIB foi baixo no primeiro trimestre. Foto: flickr.com/photos/ronwalf

O Produto Interno Bruto (PIB) teve expansão de 0,2% no primeiro trimestre de 2014, em relação ao último trimestre de 2013. O índice somou R$ 1,204 trilhão, de acordo com o resultado das Contas Nacionais divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em comparação com o trimestre final de 2013, a agropecuária cresceu 3,6%, os serviços, 0,4% e a indústria recuou 0,8%.

Em relação ao primeiro trimestre de 2013, o PIB cresceu 1,9% em 2014. 

Os impostos sobre produtos cresceram 2,4% e a agropecuária cresceu 2,8%. A indústria teve alta de 0,8% e os serviços, 2,0%.

A expansão do PIB ficou menor do que a variação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do PIB. Este índice mostrou crescimento de 0,3% frente ao período entre outubro e dezembro de 2013.

Dentre os subsetores da indústria, a indústria de transformação (-0,8%) e a construção civil (-2,3%) recuaram em relação ao trimestre anterior, enquanto a extrativa mineral (0,5%) e a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (1,4%) tiveram crescimento.

Os dados já incorporam a reformulação da pesquisa de produção industrial do IBGE, que incluiu novos produtos, recalculou os pesos setoriais dentro da produção total e elevou o número de empresas que fornecem informações, segundo o Valor.

A nova metodologia também adicionou mais de um ponto percentual à alta da produção no ano passado, que passou de 1,2% para 2,3%. No entanto, ao elevar a base de comparação do ano passado, a reformulação teve efeito negativo sobre o indicador de atividade do setor manufatureiro no primeiro trimestre. 

A produção industrial passou de um avanço de 0,6% na pesquisa “velha” para retração de 0,5% de acordo com a nova série.

Nos serviços, o segmento de intermediação financeira e seguros teve crescimento de 1,2%. As atividades imobiliárias e aluguel tiveram alta de 0,9%, enquanto transporte, armazenagem e correio subiram 0,8%. 

Entre as quedas, estão incluídos os serviços de informação (-5,2%).

A despesa de consumo da administração pública cresceu 0,7%. 

Já as exportações de bens e serviços caíram 3,3%, enquanto que as importações apresentaram expansão de 1,4%.