Eduardo Carvalho. Foto: divulgação.

A Alog Data Centers do Brasil investiu R$ 24 milhões na modernização de seus primeiros data centers, instalados no país há mais de dez anos: SP1, no centro de São Paulo, e RJ1, em Botafogo, no Rio de Janeiro.

Conforme o presidente da Alog, Eduardo Carvalho, as instalações estavam defasadas em relação às melhores práticas adotadas na construção das últimas duas unidades da empresa: em Tamboré, onde o data center tem certificação Tier III e foi concluído este ano, e na região de Del Castilho, no Rio de Janeiro, que ainda está em fase de construção.  

Nas estruturas renovadas, os maiores investimentos foram para a construção de um segundo ramo de alimentação de carga elétrica, novas instalações de ar condicionado e duplicação de infraestrutura de energia elétrica, comenta o executivo.

“Com a instalação concluída em março de 2013, depois de 12 meses de trabalho, essa estrutura garante níveis de confiabilidade e disponibilidade diferenciados para ambas as regiões”, afirma Carvalho.

O investimento também possibilitou a expansão dos dois datacenters, que passaram a oferecer mais 200 racks e 100 novas posições de trabalho de contingência (business continuityroom).

A Alog é conhecida por seu esforço em prover infraestrutura de ponta em seus data centers.

No de Tamboré, a segunda fase foi concluída no começo de 2013 e, ao todo, o site consumiu R$ 60 milhões em investimento.

A estrutura, que é 100% redundante e segue as orientações do ITIL, com certificação Tier III, selos SSAE16 tipo II e ISAE3402 tipo II e qualidade assegurada por um sistema de gestão certificado pela ISO 9001:2008, hospeda mais de 300 clientes, mas há capacidade para bem mais: são 700 racks, ao todo.

E, segundo divulgado pela Alog, a meta é crescer ainda mais, com a possibilidade de mais duas fases de expansão.

Desafio baseado em metas: quando assumiu a presidência da empresa, no fim de 2012, Carvalho afirmou ter o plano de manter média de crescimento em 30% ao ano e fazer da corporação a principal provedora para as prestadoras de serviços para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Para tanto, a estrutura também está focada em projetos modulares de colocation e nos clientes da Equinix – plataforma global da qual a Alog faz parte desde fevereiro de 2011 – que desejem investir na América Latina.

Além disso, a empresa ainda oferece serviços de hosting, cloud computing e gerenciamento de ambientes.

No total, a Alog atende a mais de 1,4 mil clientes corporativos.

Somadas, as unidades da empresa (levando-se em conta o data center de Del Castilho, em fase final de construção) chegam a 33 mil m² de área construída, com capacidade para mais de 100 mil servidores.