Luciana Gonçalves, diretora de Gente, Estratégia e Marca da Algar Tech.

Tamanho da fonte: -A+A

A Algar Tech, empresa de contact center e gestão de tecnologia da Algar, criou um programa de intercâmbio de profissionais dos diferentes países no qual a companhia está presente, sem a necessidade de deslocamentos físicos.

O piloto começa no mês de outubro, com 10 colaboradores selecionados de diferentes especialidades, incluindo desenvolvimento e operação de TI, além de outras áreas como pré-vendas e recrutamento e seleção, no Brasil, Colômbia, Argentina e México, onde a Algar tem operações.

A proposta consiste na troca de cadeiras entre profissionais com a mesma função em países distintos, para atuar em projetos com duração de pelo menos dois meses, remotamente e part time.

Para ajudá-los, cada uma das cinco vagas “trocadas” terá um padrinho para auxiliar na integração da nova equipe e serão realizadas rodas de conversa quinzenais para compartilhamento de visões e aprendizados, apoiadas em metodologias ágeis.      

O objetivo da Algar é que os participantes aprimorem o conhecimento de idiomas e desenvolvam através do contato com outras culturas a capacidade de adaptação e as famosas soft skills.

“Em um contexto de disputa cada vez mais acirrada para atrair e reter talentos, esse modelo de intercâmbio vem para nos apoiar nesse desafio e promover o desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores, permitindo acelerar o crescimento em suas carreiras”, comenta Luciana Gonçalves, diretora de Gente, Estratégia e Marca da Algar Tech.

O teste é pequeno, tendo em conta que a Algar Tech tem 12 mil funcionários, a maior parte deles em 70 escritórios no Brasil, mas a ideia da empresa é escalar práticas do tipo nos próximos anos.

O intercâmbio online por projetos é a primeira modalidade que será testada, mas, no próximo ano, com o avanço da vacinação e possibilidade de realizar viagens com mais segurança pela melhora dos indicadores relacionados à pandemia, a companhia lançará outros formatos. 

Os planos futuros envolverão a expatriação por tempo indeterminado (a convite da empresa ou por candidatura do colaborador) e também intercâmbio temporário.