Faltam dois anos para os Jogos Olímpicos do Rio. Foto: Divulgação.

Os investimentos em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) deverão responder por 20% dos cerca de R$ 7,5 bilhões que Comitê Organizador Olímpico Internacional (COI) estima levantar junto ao setor privado para realização da Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro.

O evento contará com sete patrocinadoras de TIC: Atos (integradora), Cisco (servidores), Embratel/Claro (infraestrutura de telecom), EMC (armazenamento e proteção de dados), Iomega (resultados dos jogo), Panasonic (áudio e vídeo) e Samsung (mobilidade).  

Para o evento, será destinado espaço de armazenamento para mais de 55 terabytes de dados. 

Entretanto, Renato Ciuchini, diretor executivo comercial do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, afirma que esse ambiente pode ser ampliado e chegar a 120 terabytes, relata o Computerwolrd.

Ciuchini afirma que a implementação da infraestrutura de TIC para suportar as Olimpíadas 2016 começará com muita antecedência para evitar problemas como os que aconteceram na Copa do Mundo, principalmente a definição das redes internas Wi-Fi nos estádios por causa de divergência entre os administradores das arenas e as operadoras de telecomunicações.

"Teremos 45 eventos-testes para antecipar problemas", garante.

Além do montante de R$ 7,5 bilhões, existem outros dois orçamentos para realização do evento no País. Um deles, de R$ 6 bilhões, para construções e instalações, como Parque Olímpico e Vila dos Atletas, com 60% dos recursos repassados por empresas privadas e os 40% restantes pelo setor público. 

O terceiro orçamento, estimado em R$ 25 bilhões, será aplicado em infraestrutura, como metrô e outras obras de revitalização na cidade do Rio de Janeiro.  

A organização dos Jogos iniciou, nesta semana, o Programa de Voluntários. Ao todo, 70 mil pessoas serão selecionadas para mais de 500 funções: 45 mil para os Jogos Olímpicos e 25 mil para os Jogos Paralímpicos. 

Para participar, basta ter 18 anos a partir de fevereiro de 2016. O ensino fundamental completo é desejável, além da disponibilidade para participar do processo seletivo e da própria atuação no período dos Jogos.

Há uma área de tecnologia entre as posições para voluntariado. No entanto, as funções não são aprofundadas no segmento, incluindo operação dos placares das competições, distribuição de material impresso e operação das estações de rádio portáteis nas arenas.