Funcionário da Cemig em ação. Foto: Divulgação.

A Cemig, uma das principais concessionárias de energia elétrica do Brasil, está usando software de automação robótica de processos (RPA, na sigla em inglês) da Crawly, para agilizar o processo de fiscalizar a saúde financeira dos seus fornecedores.

Com a solução da startup sediada no Cubo Itaú, aceleradora do banco Itaú em São Paulo, robôs analisam e extraem dados dos documentos fiscais dos fornecedores, normalmente enviados em PDF.  

Um sistema de RPA funciona diferente de uma ferramenta de automação de workflow na medida em que o sistema "aprende" a executar a tarefa copiando os movimentos do usuário na interface gráfica.

Assim, o software pode aprender como receber um e-mail com uma fatura, copiar certos dados e depois digitar eles em um sistema, automatizando tarefas repetitivas.

No caso da Cemig, o uso de RPA elimina um processo manual que levava meses para ser finalizado.

A Crawly foi fundada em 2017 e tem hoje uma equipe de 14 pessoas. A carteira de clientes conta com nomes expressivos como Creditas, ContaAzul, Grupo Pão de Açúcar e Leroy Merlin.

O fundador, João Drummond,foi co-fundador da Yoozon, uma startup de hospedagem de sites, e da LogHub, focada em gerenciamento de frotas. Drummond também foi CTO no comparador de passagens aéreas Melhor Voo.