MCTE

Safeweb na Carteira de Trabalho Eletrônica

29/05/2013 10:14

Luiz Carlos Zancanella. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O diretor presidente da porto-alegrense Safeweb, Luiz Carlos Zancanella, é o criador do projeto da Carteira de Trabalho Eletrônica, que está em processo de avaliação pelo Ministério do Trabalho e Emprego, com previsão de início de projetos piloto de uso para 2014.

O empresário gaúcho fará parte de uma comissão criada para estudar a implantação da nova carteira, que terá representantes do governo, sindicatos, área tecnológica e outros, e fará reuniões periódicas em Brasília para definir o projeto final do documento.

“O projeto consiste na apresentação da identidade do trabalhador, seu histórico trabalhista e todas as contribuições declaradas em um modelo eletrônico de carteira profissional”, explica Zancanella.

Entre os principais benefícios da novidade ele ressalta a eliminação do papel para governo e empresas e a permanente fiscalização por parte do trabalhador, já que o sistema é online.

Na nova CT, a autenticação das partes envolvidas é feita no sistema por meio de biometria e certificado digital, representando o Registro de Identidade Civil.

Neste modelo, o governo teria seus custos com a CLT restritos ao software do projeto.

A Safeweb possui um software que faz emissão do Certificado de Atributo (recurso homologado no Brasil pelo IPI em dezembro de 2012 que comprova legalmente atribuições profissionais e funcionais) e o encaminha aos órgãos competentes.

Com esta solução, a companhia projeta participar das licitações para implantação da nova carteira de trabalho, previstas para iniciarem em 2014.

Conforme Zancanella, o novo modelo utiliza um certificado reconhecido e lido por sistemas de todos os órgãos envolvidos no processo de contratação de um trabalhador via CLT, o que inclui MTE, organizações arrecadadoras, como CEF (FGTS) e Dataprev (INSS), entre outros.

Isso assegura o cumprimento dos encargos trabalhistas, que podem ser conferidos por empregador, empregado e governo a cada fim de mês, e evita fraudes.

De tecnologias para certificação digital, a Safeweb entende.

A companhia já emitiu mais de 180 mil certificados digitais, cerca de 5% do total já emitido em todo o Brasil, segundo o diretor presidente.

A empresa, que tem 230 colaboradores, também atua em nota fiscal eletrônica, área na qual possui aproximadamente três mil clientes.

Com o novo projeto, a Safeweb prepara-se para ampliar sua participação no setor de governo, no qual hoje atende a prefeituras com solução de NFS-e, o que fica com uma fatia aproximada de 1% da carteira de atendidos da companhia, majoritariamente formada por nomes da iniciativa privada.

Outros projetos que ainda não podem ser revelados estão em tratativas entre a empresa gaúcha e o governo federal, e os trabalhos relativos ao Certificado de Atributo prometem dar gás ao crescimento da companhia gaúcha no segmento público.

“A homologação deste certificado no Brasil abriu um leque de oportunidades para quem faz soluções para esta área.

A comprovação de atributos profissionais e funcionais tem aplicações significativas”, finaliza Zancanella.

Veja também

CERTIFICAÇÃO DIGITAL
SPC: registros com Safeweb

Entidade adota o Sistema de Gestão de Documentos Eletrônicos para Autoridades de Registro (Gedar), da fornecedora gaúcha, e otimiza emissão de certificados digitais.

SÓ NO PAPEL
Problema em cartão com chip atrasa RG eletrônico

Um problema de execução de programa prejudicou e atrasou a emissão dos cartões com chip que irão substituir a carteira de identidade de cerca de dois milhões de brasileiros - o chamado Registro de Identidade Civil (RIC), lançado há mais de um ano pelo Ministério da Justiça.

G2KA automatiza gestão de documentos

A G2KA Sistemas, de Blumenau, lança o G2KA e-Doc, software que automatiza o recebimento, validação e armazenamento de arquivos eletrônicos em empresas.

O sistema possibilita a gestão eletrônica de documentos recebidos de fornecedores, prestadores de serviço ou transportadores, com recepção automática dos materiais e validação junto aos órgãos autorizadores (Sefaz), além de verificação das autorizações dos conteúdos.

VIRTUAL
Santa Catarina quer certificação digital

Apesar de ainda não saber o investimento necessário em hardware e software para a montagem de uma autoridade certificadora própria, governo já conta com R$ 10 milhões do BNDES para o projeto.

Só 20% dos advogados têm certificação digital

De todos os 250 mil advogados militantes escritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), somente 52 mil utilizam certificação digital.

Dentre os que usam o recurso, 30% se concentram no Paraná.

Ou seja: apenas um quinto dos advogados que dependem ou irão depender, em breve, da certificação para atuar, a possuem.

Os dados foram divulgados pelo presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen.