Oi é a última entre as 4 maiores operadoras do país. Foto: Divulgação.

A Oi concluiu ontem sua oferta de ações ao mercado com a captação de R$ 6,25 bilhões. 

Para o Valor Econômico, esse foi passo mais desafiador do processo que vai unir os ativos da companhia com os da Portugal Telecom.

Esses valores, somados aos R$ 2 bilhões de aporte de um fundo gerido pelo BTG pactual e acionistas brasileiros e aos R$ 5,7 bilhões que virão da incorporação dos ativos da Portugal Telecom, totalizam um aumento de capital de cerca de R$ 14 bilhões. 

Segundo a operadora, ela conseguiu vender a totalidade das ações do lote principal e boa parte do suplementar. 

As ações preferenciais foram vendidas a R$ 2, enquanto as ordinárias foram ofertadas por R$ 2,17.

Pelo volume da oferta, já se esperava que as ações saíssem abaixo do preço de mercado. As PN da Oi caíram 6,37% ontem, a R$ 2,35.

O BTG Pactual liderou a operação. Bank of America Merrill Lynch, Barclays, Banco Espirito Santo e Credit Suisse atuaram como coordenadores globais. Outros nove bancos participaram da oferta.

O BTG confirmou um aporte de R$ 500 milhões anunciado anteriormente. Os sócios brasileiros Andrade Gutierrez, grupo Jereissati e Fundação Atlântico entraram com aproximadamente o mesmo valor.

O BNDES entrou com R$ 700 milhões. Os fundos de pensão Previ e Petros, cuja participação ainda era incerta, aderiram à operação. Segundo fontes do Valor Econômico, aportaram cerca de R$ 300 milhões por meio do veículo do BTG.

Das fundações que compõem o bloco de controle da Oi, a Funcef foi a única que ficou de fora.

O próximo passo do processo de reestruturação da Oi é a fase de incorporações e integração de ativos.

Segundo dados do Teleco, a Vivo lidera o mercado nacional das operadoras, com market share de 28,68%. 

Em segundo lugar está a TIM, com uma fatia de 27,02% do público consumidor, enquanto a Claro fica com o bronze, com 25,13%. 

Das quatro maiores do mercado de telefonia, a Oi é a última colocada, ocupando um share de 18,49% no mercado.

Em 2013, a operadora investiu R$ 700 milhões na região Sul.