Bernardo Carneiro, CTO da OLX. Foto: Divulgação.

A OLX, empresa do mercado de compra e venda online planeja aumentar em 70% sua equipe de tecnologia, dados e produtos em 2017. Com isso, a empresa espera fechar o ano com 178 colaboradores nessas áreas.

As contratações planejadas para o ano são de 15 profissionais para a área de dados (200% de crescimento), 20 pessoas para o time de produtos (alta de 95%) e 38 profissionais de tecnologia (49% de aumento).

Desde o ano passado a empresa vem aumentando as contratações. O movimento começou a partir da abertura da nova sede da OLX. A empresa investiu R$ 5 milhões em um novo escritório no Rio de Janeiro, com 2.600m². 

Assim, em 2016 foram contratadas 250 profissionais, sendo 175 no Rio e 75 em São Paulo. Na área de tecnologia, foram 86 contratações no ano passado.

Para Bernardo Carneiro, CTO da OLX, o aumento da equipe é um fenômeno natural a partir do crescimento da empresa e suas metas.

“Hoje buscamos profissionais como gerentes de produtos, analistas de dados, desenvolvedores de software e profissionais com conhecimento da metodologia DevOps”, detalha Carneiro.

Com o aumento da área de tecnologia, os times de projeto contarão sempre com um gerente de produto, analistas, desenvolvedores e 1 DevOps para cada duas equipes.

“Além da TI, há previsão de crescimento em todas ás áreas da OLX. Fechamos 2016 com cerca de 460 pessoas no time e a expectativa para 2017 é terminar o ano com 610, ou seja, com um crescimento de 33% no total do número de colaboradores”, afirma Simone Grossmann, Chief Human Resource Officer da OLX Brasil. 

O novo escritório da OLX tem três andares interligados por escorregadores com uma piscina de bolinha. O andar central do escritório é exclusivo para convivência, com salas de jogos, de TV,  videogame, cadeiras de massagem, violão, cozinha e refeitório.

A OLX conta com cerca de meio milhão de anúncios todos os dias e uma média de 2 milhões de vendas por mês – cerca de 50 por minuto. OLX Brasil é fruto de uma parceria entre grandes grupos de mídia e investimento em marketplaces do mundo: o sul-africano Naspers e o grupo norueguês Schibsted.