Felipe Matos.

Felipe Matos, fundador da Startup Farm, uma das aceleradoras mais bem sucedidas do país, acaba de assumir o cargo de “head of Startup Ecosystem” da In Loco, uma  startup pernambucana de tecnologia de localização. 

No cargo, Matos terá a missão de mapear oportunidades de como a tecnologia de localização pode impulsionar o ecossistema de inovação, além de identificar necessidades de startups para desenvolvimento de novas soluções pela In Loco. 

O profissional é um reforço de peso em um momento em que a In Loco atravessa uma situação complicada, sendo questionada pelo Ministério Público do Distrito Federal por suas práticas de processamento de dados pessoais.

A In Loco é a desenvolvedora de um sistema de geolocalização de ambientes internos e externos que chega a ser 30 vezes mais exato que o GPS.

Com ele, a empresa rastreia, atualmente, 60 milhões de celulares, seguindo os passos do consumidor depois que ele interage com uma publicidade digital. Os aparelhos geram, por mês, 250 bilhões de novos pontos de localização. 

De acordo com o MPDFT, a tecnologia, com precisão que varia de um a dois metros, contaria com uma rede de mais de 500 aplicativos parceiros. 

Ao baixar esses aplicativos, o usuário permite o rastreamento em tempo integral de suas atividades. 

Em nota divulgando a contratação, Matos aborda o problema indiretamente.

“Encontrei na In Loco dois aspectos que para mim são grandes diferenciais:  um compromisso absoluto com a privacidade do usuário e uma cultura organizacional onde o ambiente de informalidade, inclusão e autonomia”, afirma Matos, que falou mais aprofundadamente sobre a decisão em um post no Linkedin.

Em outra nota, divulgada quando o MPDFT divulgou a investigação, a In Loco já havia dito que “jamais” acessou “dados de identificação pessoal” e que os produtos respeitam a lei.

Os fundadores da In Loco e Matos tem contato desde 2011, quando a empresa começou.

“O Felipe acompanhou e contribuiu de diversas maneiras para a construção da empresa, sempre muito alinhado com nossa cultura, valores e objetivos. Agora, ele se junta ao time para participar dessa nova fase de crescimento de maneira muito mais direta e integrada”, afirma André Ferraz, CEO e cofundador da In Loco. 

Matos liderou a Startup Farm por um período curto, entre a fundação e o final de 2012, quando deixou a mesma para assumir o comando do programa Startup Brasil do governo federal.

Lançado pela então presidente Dilma Rousseff, o Startup Brasil teve 183 startups apoiadas em quatro turmas nos anos de 2013 e 2014, com aportes de fundo perdido de R$ 200 mil, em um programa feito em conjunto com as maiores aceleradoras do país.

No final de 2014, o Startup Brasil entrou em um limbo de falta de verbas do qual só veio a sair recentemente.  Matos então voltou para o Startup Farm, onde foi head de Ecossistemas entre maio de 2015 e abril de 2017.

A Startup Farm já realizou 24 edições do seu programa de aceleração, totalizando 280 startups. Entre as duas funções, Matos afirma ter liderado R$ 600 milhões em investimentos captados. 

Matos é um reforço importante para a In Loco, o primeiro negócio de Ferraz, fundado em 2010.

Até agora, a empresa teve uma trajetória estelar. Em agosto do ano passado, a In Loco fez parte da primeira turma formada pelo Oracle Startup Cloud Accelerator, que selecionou seis empresas do país para um programa com duração de seis meses.

Os fundadores da In Loco Media também foram selecionados em 2017 como Empreendedores Endeavor, iniciativa da organização global de fomento ao empreendedorismo.