A coisa está quente da Predicta. Foto: flickr.com/photos/18580166@N04

A Predicta, empresa brasileira de marketing digital, acaba de nomear Ricardo Hudson, como novo CEO. 

Hudson é CFO da e.Bricks, fundo de investimentos do grupo de comunicação da RBS, que detém o controle da Predicta desde 2011. 

O executivo, que já participava do conselho da empresa há quatro anos, substitui André Santos.

Santos foi nomeado no final de abril, há três meses atrás, vindo de um período de sete anos como diretor de tecnologia da Predicta.

Não é de hoje que a chapa está quente por lá. Santos substituiu Andiara Petterle, que não a fechar um ano no cargo de CEO, antes de ser promovida para a vice-presidência de Jornais e Mídias Digitais da RBS. 

Os perfis dos profissionais indicam que a RBS pode estar preocupada com as finanças da Predicta.

Tanto Santos como Andiara tem um perfil de tecnologia. Antes de entrar na Predicta, Santos foi diretor de TI do e-commerce de carros Webmotors. 

Já Andiara foi uma das fundadoras do Bolsa de Mulher, depois passou por uma série de cargos ligadas à área de negócios digitais da RBS.

Hudson iniciou sua carreira no Grupo Telefónica, na área de finanças, onde trabalhou por oito anos.

O profissional parece ser um homem de confiança do grupo.

Estava no conselho de administração da Predicta há quatro anos, mais ou menos o mesmo tempo em que participa dos boards da Wine.com.br e da Pontomobi, outros negócios digitais da RBS.

Antes da Telefónica, foi diretor de controladoria da Schincariol.

Junto com Hudson, foi promovido Fabio Michele, que atua na Predicta há alguns meses, para o cargo de COO. O executivo foi vice-presidente da Telefónica por 10 anos.

A Telefónica, que colocou a RBS em sérios apuros quando da privatização da CRT, no final dos anos 90s, é aparentemente vista como uma fonte de executivos.

Fabio Bruggioni, vice-presidente do Grupo Telefônica, é o CEO de internet e mobile do Grupo RBS desde 2011.