Tchau? Foto: divulgação

O iPhone 5C, lançado em novembro de 2013, foi uma das grandes apostas da Apple para aumentar sua competitividade junto a usuários de smartphones na faixa de preços intermediários. Entretanto, parece que a empresa já vai tirar suas fichas da mesa, cortando a fabricação do produto em 2015.

Segundo reporta o site MacRumors, a Foxconn e Wistrom, empresas fabricantes do dispositivo, vão interromper a produção do 5C até a metade do próximo ano. As razões da decisão da empresa de Cupertino não foram reveladas.

O que se sabe, entretanto, é que as expectativas de venda do aparelho, uma tentativa de rivalizar com modelos de Android na faixa dos US$ 500 dólares - no Brasil o aparelho competiu na faixa dos R$ 1,5 mil - não foram atendidas.

Conforme apontaram dados da consultoria norte-americana CIRP em janeiro de 2014, o 5C respondia por apenas 27% das vendas da Apple, enquanto o 5S, modelo mais completo da marca, tinha uma fatia de 59%.

No lançamento, o 5C foi apresentado como uma versão mais modesta e "descolada" do 5S, reduzindo custos ao usar o processador A7 do iPhone 5, carcaça de plástico colorido em vez de alumínio e sem o leitor biométrico.

Segundo analistas, talvez o principal motivo da Apple ao deixar de acreditar no 5C tem a ver com a baixa aderência do aparelho em mercado emergentes, um dos principais focos do lançamento. Em mercados como Ásia e América Latina, o iPhone encontra forte concorrência de marcas como Samsung, Xiaomi, LG e Motorola, entre outros.

Com a decisão, tudo indica que a Apple vai mesmo buscar a consolidação como uma marca de smartphones para o segmento premium, deixando a guerra de preços nas camadas inferiores para as concorrentes.

Se for levar em conta as vendas de seu último telefone, os iPhones 6 e 6 plus, a decisão não parece das piores. Segundo dados do Financial Times, a empresa de Tim Cook teve uma valorização de US$ 700 bilhões desde o lançamento dos smartphones, no final de setembro.

Segundo dados divulgados pela Apple no final de outubro, a empresa já havia ultrapassado a marca de quarenta milhões de aparelhos comercializados, somando as vendas do iPhone 6 e 6 Plus.