Executivos da Linx durante a abertura de capital da empresa na Bolsa. Foto: Luiz Prado/Agência Luz

A Linx, companhia brasileira especializada em software para varejo, fez uma emissão adicional de ações que incrementou seu capital social em R$ 118,560 milhões.

Foi uma tacada importante. As novas ações responderão por cerca de um quarto do capital total, de R$ 476 milhões. 

A oferta tem como coordenador líder o Morgan Stanley e coordenadores o Itaú BBA e Credit Suisse. 

Segundo o fato relevante da Linx, os recursos serão destinados para novas aquisições de empresas.

Ao que parece, a Linx está se recapitalizando depois de uma série de compras bancadas em parte por uma linha de crédito de R$ 102,8 milhões liberada pelo BNDES em 2014.

A Linx nasceu focada no varejo de roupas, e expandiu seu porfólio com uma série de aquisições, totalizando 19 desde 2008, em ramos tão diferentes como lojas, farmácias e postos de gasolina.

As duas últimas, meses atrás, sinalizavam novos rumos. Foram compradas a catarinense Chaordic e a amazonense Neemu, duas companhias novas que são destaques no mercado brasileiro de  personalização para e-commerce.

Só essas duas últimas compras devem custar R$ 78,6 milhões à vista, mais R$ 32,8 milhões relacionados ao atingimento de metas de 2016 a 2018, totalizando R$ 111,4 milhões.

A Linx fechou 2015 com uma receita operacional bruta de R$ 505,2 milhões, incremento de 22,3% em relação ao ano anterior.

O EBITDA da empresa foi de R$121,6 milhões, 16,5% acima do valor obtido em 2014. O lucro caixa atingiu R$101,8 milhões, 4,3% maior em relação ao ano anterior.