Maringá investe em tecnologia de smart city com NEC. Foto: Flickr.com/tripadvisor

A prefeitura de Maringá, a 436 km de Curitiba, contratou um sistema integrado de gestão de segurança e monitoramento urbano da NEC.

O projeto, de valor não divulgado, inclui a instalação de 80 câmeras, que serão instaladas nas principais avenidas e vias de acesso da cidade, colocação de "olhos mágicos" nas escolas, postos de saúde, centros de educação infantil e outros estabelecimentos públicos do município, além de uma central de monitoramento de imagens e uma sala de situação com um minicontact center.

“As câmeras serão responsáveis pela captura de imagens coloridas e gerenciadas remotamente com a ajuda de ferramentas do tipo joystick”, explica Manoel Sieiro, diretor de Negócios Enterprise da NEC no Brasil.

As imagens serão monitoradas a partir do centro de controle, que será operado pela equipe da prefeitura - treinada pelos profissionais da NEC.

Em uma segunda etapa, a fornecedora da solução também implementará recursos de PABX IP, substituindo a atual estrutura de telefonia dos órgãos municipais.

“Isso permitirá a integração entre os departamentos de administração pública via VoIP, o que acarretará economia e eficiência na comunicação”, comenta Sieiro.

Este é o primeiro contrato da NEC no segmento de smart cities no Paraná, o que incrementa uma carteira nacional já formada por projetos da área em Betim, Minas Gerais; São Bernardo do Campo, no ABC Paulista; Amparo, Itapetininga, Jacareí e Campo Limpo, no interior de São Paulo.

“É importante destacar também nossa participação na integração de soluções para empreendimentos sob o modelo smart city, a exemplo da Cidade da Copa, que está sendo contruída em São Lourenço da Mata, na área que envolve a Arena Pernambuco”, finaliza Sieiro.

O investimento dá sequência a outras ações da prefeitura de Maringá em TI para gestão pública.

Em 2011 a administração da cidade firmou um contrato de três anos com a Imagem pra implantou soluções de geotecnologia (GIS) para as secretarias da Fazenda, Planejamento, Saúde e Educação, voltadas a otimizar tarefas relativas a cadastro imobiliário, gestão de redes de saneamento, segurança e saúde, entre outras.

As cidades inteligentes são uma das apostas da NEC para fomentar no país os negócios de seu segmento Enterprise, hoje responsável por 25% da receita no Brasil, que no primeiro semestre do ano fiscal 2012, divulgado no começo deste mês, somou R$ 315 milhões, alta anual de 50%.

Uma aposta inteligente, já que projetos de smart cities devem puxar os investimentos governamentais em TI nos próximos anos, segundo aponta uma análsie da Forrester Research.

De acordo com a empresa de pesquisas e análise de mercado, o setor público – em especial as prefeituras – tem mais tendência de aumentar os aportes em TI do que outras áreas da indústria no curto prazo, sendo que 38% dos decisores deste segmento projetam expandir os gastos de 5% a 10% em consultorias voltadas a serviços de cidades digitais.

Já um estudo da Merittalk mostra que o uso da tecnologia, especialmente a mobilidade, nos governos estaduais, federais e municipais pode incrementar a produtividade de funcionários públicos em 10%, em média, com rendimento mais visível nas áreas que demandam ações ao ar livre, como policiamento, resgate e defesa civil.

Com um filão tão promissor em aberto, a NEC não é a única interessada em abocanhar sua fatia por aqui.

A Microsoft, por exemplo, lançou recentemente o CityNext, ecossistema de soluções de parceiros, dispositivos e tecnologias voltados para melhorar serviços de utilities, infraestrutura, transporte, segurança e outros, que já teve ações em cidades como Auckland, Barcelona, Buenos Aires, Província de Hainan, Hamburgo, Manchester, Moscou, Filadélfia e Zhengzhou.

O programa é similar ao Smart Cities, oferta que a IBM lançou para esta área há alguns anos, que conta com ações diversas no Brasil e vem mantendo um namoro com Porto Alegre desde 2011, quando um grupo de diretores da IBM Brasil visitou a prefeitura da capital gaúcha e anunciou que 15 voluntários trabalhariam em cinco instituições com telecentros vinculadas ao órgão.

De lá para cá, a companhia já teve soluções implantadas em data center da Procempa, do Centro Integrado de Comando (Ceic), e entregou, em 2012, a premiação Smart Cities ao prefeito José Fortunatti, a quem o novo presidente da IBM, Rodrigo Kede, visitou em julho deste ano.

A SAP também entra na jogada com o SAP Urban Matters, portfólio para o segmento lançado em 2012.