Bitcoin está em meio a uma alta histórica. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A MicroStrategy está apostando alto em bitcoins. A companhia acaba de comprar 19,452 unidades da criptomoeda, por um valor total de US$ 1,02 bilhão.

A empresa vem aumentando a aposta: a primeira compra foi no meio do ano passado, quando a MicroStrategy pagou US$ 250 milhões por 21,454 bitcoins. Em dezembro, foram US$ 650 milhões por outras 29,646.

Numa nota, o CEO da Michael Saylor, disse que a companhia deve seguir investindo em bitcoin com dinheiro que eventualmente estiver parado e até mesmo usar crédito para adquirir bitcoin.

Para colocar uma perspectiva do tamanho do investimento em relação ao negócio original da MicroStrategy de vender software de análise de dados, a receita da companhia no quarto trimestre de 2020 foi de US$ 131 milhões, uma queda de 1,7% frente ao mesmo período do ano anterior.

De maneira geral, a empresa vem tendo pequenas quedas de faturamento como essas há anos. A receita teve um pico de US$ 580 milhões em 2014 e vem caindo ano a ano desde então, tendo ficado em US$ 480 milhões em 2020.

Fundada em 1989, a MicroStrategy faz parte da primeira geração de empresas de Business Intelligence, junto com Business Objects e Cognos.

Mas, enquanto a Cognos e a Business Objects foram compradas por IBM e SAP, a MicroStrategy seguiu uma empresa independente.

O mercado parece estar aprovando a estratégia da MicroStrategy. Apesar dos resultados pouco impressionantes no seu negócio principal, as ações aumentaram cinco vezes de valor nos últimos seis meses, depois que a informação da compra de criptomoeda surgiu.

Phong Le, o CFO da MicroStrategy, afirma que o investimento em bitcoin e o que parece o resultado dele nas ações não interfere com o negócio tradicional de software da empresa.

“Nós acreditamos que a nossa estratégia de Bitcoin é complementar ao negócio de software, já que aumenta o reconhecimento da nossa marca e provê oportunidades de ganhar novos clientes”, disse Le.

O Bitcoin está nos seus maiores valores desde o surgimento da criptomoeda, em 2013, mas trata-se de um mercado bastante volátil.

O preço subiu mais de 500% no ano passado, chegando ao recorde de US$ 58 mil no sábado.

Na terça, porém, o valor caiu para US$ 47,5 mil, um tombo de quase 20%. Tudo porque Elon Musk, que comprou US$ 1,5 bilhão em bitcoin pela Tesla, sua fabricante de carros elétricos, tweetou que o preço "parecia alto".

A queda do bitcoin impactou por tabela no preço das ações da Tesla, que caiu 8,5%.