Marcos Imaizumi, diretor nacional da Innogames. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Innogames, desenvolvedora alemã de games, abriu em janeiro uma operação em São Paulo com a meta de ampliar parcerias de negócios e ações de marketing para dobrar, em 2013, o número de usuários no país, que hoje fica em 10 milhões.

A companhia abre a operação com uma equipe de quinze profissionais. O investimento na unidade não foi divulgado, mas a empresa projeta obter o retorno em dois anos.

Conforme o diretor nacional da empresa, Marcus Imaizumi, a presença no país permite a aproximação aos jogadores, com suporte e gerentes de comunidades, além de intensificar ações de divulgação em veículos especializados.

Fundada em Hamburgo na década de 90, a InnoGames é especializada em jogos de estratégia para browsers, como os gratuitos Tribal Wars, Forge Of Empires e Grepolis.

Além de São Paulo, a empresa conta com uma filial em Seul, na Coreia do Sul.

Mundialmente, a companhia possui cerca de 100 milhões de jogadores registrados - 40 milhões deles no Tribal Wars - em 190 países, jogos em 34 idiomas e um faturamento de € 50 milhões em 2012.

Outro foco no mercado brasileiro é de melhorar os canais de pagamento aos jogadores brasileiros, aponta Inaizumi. Os ganhos da companhia vêm de microtransações in-game, com a compra de conteúdos para os jogos.

"O país está um momento bom em termos de acesso e economia, e enxergamos uma boa possibilidade de crescimento entre nossos usuários", afirma o empresário formado em Administração, que trabalhou no site de games do Yahoo nacional e como Country Manager da Sulake, multinacional desenvolvedora de games sociais.

Embora o número de jogadores registrados seja alto, Imaizumi ressalta que apenas de 1% a 8% deste total são os chamados "heavy users", que compram créditos in-game.

No caso do Brasil, onde a Innogames possui cerca de dez milhões de gamers cadastrados, levando em consideração uma média de 5%, apenas 500 mil jogadores gastam dinheiro com os jogos.

Segundo o diretor, esta estatística não se restringe apenas ao território brasileiro, mas o foco em uma atuação mais localizada pode ajudar a aumentar este percentual.

PÚBLICO
Até 2012, a Innogames já oferecia seus jogos em português para atender a base de usuários no país. No entanto, conforme Inaizumi, a falta de uma representação local dificultava a divulgação do produto.

"Atuando diretamente no país, poderemos ter uma maior inserção em canais segmentados entre os jogadores, lugares que não eram vistos com uma operação de marketing internacionalizada", explica.

Para o diretor, a estratégia local concentra esforços em fidelizar os jogadores.

"Sabemos que é um mercado com rotatividade grande, mas nosso objetivo é criar uma experiência de qualidade para o usuário, atraindo novos jogadores e mantendo a base que temos", observa.

Para isso, a empresa também volta sua atuação aos comentários dos jogadores. Para Imaizumi, ouvir os feedbacks em fóruns e sites podem ser um termômetro para o desenvolvimento de soluções e produtos.

"Daqui podemos coletar e enviar dados de satisfação de usuários para as equipes de desenvolvimento na Alemanha, que podem usar estas informações para o aperfeiçoamento dos produtos", aponta.