Ford abre centro no Vale do Silício. Foto: divulgação.

A Ford divulgou a abertura de uma unidade no Vale do Silício, dedicada a pesquisas de tecnologias para automóveis e aplicações futuras em modelos da marca.

O Centro de Pesquisa e Inovação de Palo Alto, na Califórnia, EUA, tem como objetivo acelerar o desenvolvimento de tecnologias e testes nas áreas de conectividade, mobilidade, veículos autônomos, experiência do cliente e “big data”.

A instalação se junta à rede global da Ford, que inclui os centros de Dearborn, nos Estados Unidos, e Aachen, na Alemanha. A unidade norte-americana é focada em eletrônica avançada, interface homem-máquina, ciência dos materiais, “big data” e análises. No Vale do Silício, ela conta com 125 pesquisadores, engenheiros e cientistas.

Já o centro europeu é voltado principalmente à pesquisa de sistemas propulsores de próxima geração, tecnologias de assistência ao motorista e sistemas de segurança ativa.

Segundo Mark Fields, CEO da Ford, o plano com a nova unidade é antecipar os desejos e necessidades dos consumidores em áreas como conectividade, mobilidade e veículos autônomos.

"Estamos pesquisando para tornar essas novas tecnologias acessíveis para todos e não somente para os clientes de luxo", destacou o CEO.

A equipe de Palo Alto desenvolveu também um ambiente virtual de teste baseado em software de jogos. Chamado aDRIVE (Autonomous Driving Refined in Virtual Environments), ele vai testar algoritmos, por exemplo, para o reconhecimento de sinais de trânsito, reduzindo os prazos de validação para os testes na pista. 

Além das pesquisas conduzidas internamente, o centro pretende ampliar o relacionamento da Ford com as empresas de tecnologia e universidades da Baía de San Francisco, além de buscar novas parcerias e soluções.

A corrida por inovação nos carros conectados está cada vez mais acirrada, com montadoras como Volvo, Hyundai, Ford e e empresas de tecnologia como SAP, Apple, Google, Ericsson, e outras investindo em soluções.

A SAP, em parceria com a Toyota, está criando um sistema, baseado no banco de dados em memória Hana, um sistema de inteligência para o abastecimento dos veículos, detectando quando o carro está com pouco combustível e localizando o posto mais próximo.

A Ericsson desenvolve desde 2012 com a Volvo uma solução de nuvem global da Ericsson para permitir que motoristas, passageiros e os carros se conectem a serviços disponíveis na nuvem. Com a aplicação, motoristas e passageiros serão capazes de acessar informações e navegar a partir de uma tela no carro.

A Volkswagen, em junho de 2014, adquiriu uma unidade da Blackberry na Alemanha, também de olho na criação de aplicações inteligentes para seus veículos.

O Google, por sua vez, se aliou com quatro montadoras (General Motors, Hyundai, Honda e Audi) e a fabricante de chips Nvidia para levar o sistema operacional Android Auto para veículos a partir deste ano, em uma iniciativa chamada Open Automotive Alliance.