Tab 3 tem versões de 7″ e 10.1″.

A Secretaria de Ciências, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais comprou 3,5 mil tablets da Samsung para professores e alunos da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) e da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). 

O valor total da compra foi de R$ 2,9 milhões. Cada unidade custou R$ 598,70.

A Samsung informou que os equipamentos comprados são do modelo Tab 3. No entanto, não foi especificado de quantas polegadas são os tablets. A linha tem versões de 7″ e 10.1″.

Junto com os equipamentos, a Samsung fornecerá sua principal solução móvel de educação. A Solução de Educação Integrada permite compartilhar informações e materiais de forma remota, criar uma biblioteca digital de referências e acompanhar o progresso dos alunos, onde quer que estejam. 

Segundo a empresa, a aquisição vai beneficiar mais de 10 mil professores e alunos.

A Samsung treinará os profissionais de TI e os professores para o uso da plataforma.

Os tablets tem sido comprados pelo governo para uso em escolas públicas e instituições privadas também estão utilizando o dispositivo em aula.No entanto, ainda há dúvida se o equipamento é o melhor para o uso estudantil.

No primeiro semestre de 2012, um levantamento feito pelo Ministério do Planejamento mostrou que 45% das compras de TI do governo federal foram de tablets no período, o que custou R$ 337,9 milhões.

No final do ano passado, o Ministério da Educação afirmou que o governo brasileiro iria distribuir 460 mil tablets para professores das redes estaduais de ensino em 2014. O MEC desembolsou R$ 180 milhões para a compra dos equipamentos.

Ainda assim, o tablet não é o único utilizado nas salas de aula do país.

No início de 2013, a prefeitura de Joinville investiu R$ 1,8 milhão em 4 mil tablets para alunos. Já no início de 2014, a cidade comprou 3.134 notebooks da Positivo para os professores da rede municipal. Na época, a prefeitura afirmou que ainda tinha planos para comprar mais 15 mil tablets e 1 mil lousas digitais.

No Rio Grande do Sul, cerca de 10 mil tablets haviam sido distribuídos até junho do ano passado e a previsão era que o número chegasse até 22 mil.