CONCORRÊNCIA

Itaú tem transferência rápida para exterior

25/06/2019 04:01

Mais um banco teve que se mexer em meio à competição das fintechs.

Adam Smith: "E isso é o que eu chamo nos meus livros de mão invisível do mercado pessoal".

Tamanho da fonte: -A+A

O Itaú lançou um serviço de transferência internacional de dinheiro, com transações concluídas em poucos minutos por meio do aplicativo.

Em nota, o banco explica que o serviço valerá para “envio de dinheiro para conta própria fora do país” ou “auxílio financeiro a estudantes e familiares no exterior”.

“Observamos que cerca de 80% das nossas transações internacionais de pessoas físicas são para familiares e estudantes ou para contas próprias de outras instituições. Para isso, estamos simplificando e automatizando a operação de forma que a transferência internacional seja tão simples quanto uma transferência realizada dentro do Brasil”, diz André Daré, diretor do Itaú Unibanco. 

Certamente o banco também observou a concorrência crescente de fintechs de transferência internacional de dinheiro. 

Segundo dados divulgados pela Exame em 2016, no Banco do Brasil, por exemplo, a transação custava entre R$ 100 e R$ 450, conforme o valor enviado. 

Na Caixa, custava entre US$ 30 e US$ 100. No Santander, o valor mínimo era de R$ 90, mas depende do relacionamento do cliente com o banco.

As altas margens de lucro dos bancos atraíram para esse mercado uma série de fintechs, com modelos de negócios diferentes para transferir dinheiro - e taxas bem menores. 

Uma das maiores entre elas é a Transferwise.

Criada em 2011 no Reino Unido por Taavet Hinrikus, o primeiro funcionário do Skype, a empresa iniciou no mercado com um sistema que casa a necessidade de dólares de um brasileiro com a de reais de um inglês, por exemplo. 

Já foi apelidada como o “Uber cambial”, por conectar pessoas e suas necessidades. Depois foram agregadas funções de transferências internacionais diretas, sempre focando em custos baixos.

O problema é que embora a Transferwise tenha taxas competitivas, a transferência envolve a geração e pagamento de um boleto, ou uma transferência a uma conta de banco intermediária, uma operação que pode demorar alguns dias para concluir e deixa um usuário de primeira viagem inseguro.

O Itaú e outros bancos sabem disso e decidiram contra-atacar com transferências mais rápidas e taxas mais palatáveis frente às praticadas antes.

O Bradesco fechou um acordo com o banco japonês MUFG (ex-Bank of Tokyo Mitsubishi) para permitir transferências internacionais de dinheiro usando a tecnologia de blockchain da Ripple.

O Santander também lançou um serviço que permite efetuar transferências internacionais de forma mais rápida.

Veja também

FINTECH
Mutual capta R$ 4 milhões na EqSeed

A rodada se tornou a maior captação individual da história do segmento de equity crowdfunding no país.

MERCADO
Fintechs: 47 fecharam no último ano

O número total de fintechs no país saltou de 453 para 604, um aumento de 33%.

INVESTIMENTOS
Everis apoia criação da Pi, do Santander

A Everis atua desde a criação até a operacionalização da nova plataforma.

CAIXAS
Prosegur, a nova concorrente da Saque e Pague

Empresa de segurança lança cofre reciclador e serviço de correspondente bancário.

EQUIPE
Hub FinTech contrata novo CTO

Claudio Murasaki teve passagens por instituições bancárias como Itaú e Bradesco.

FUTEBOL
Banco BMG lança conta personalizada para o Vasco

O acordo é similar ao firmado pelo Flamengo com o Banco BS2.

FINTECH
SoftBank: US$ 1 bilhão no Nubank?

Aporte estaria em negociação. Antes, o alvo da vez era o C6 Bank.

MAIS UM
Via Varejo também tem uma fintech

Meta da empresa é chegar nos números de uma Nubank com rapidez.

BRASÍLIA
Bibo Nunes lidera comissão sobre biometria

O homem para fazer o lobby da tecnologia chinesa dar certo no Brasil?

CAPITAL
Totvs capta R$ 1 bilhão na bolsa

Gigante de ERP aproveita a alta das ações na bolsa e reforça o caixa para valer.