Florianópolis terá dados do Airbnb. Foto: Pixabay.

O Airbnb vai compartilhar dados sobre buscas de hospedagem em Santa Catarina com a secretaria de turismo do estado, uma parceria inédita no país.

Pelo acordo, a secretaria terá acesso a dados sobre a origem do visitante, regiões mais procuradas, em que período do ano, tempo de permanência, gasto médio, dentre outros, e poderão ser agregados a índices e pesquisas já realizadas no estado.

Durante a implementação do projeto, o Airbnb terá uma equipe dedicada em Florianópolis.

A aproximação do site de aluguel de imóveis com o governo catarinense pode ser encarada como uma atividade profilática por parte do Airbnb, que provavelmente busca construir uma boa relação com as autoridades locais para facilitar a negociação de uma inevitável regulamentação do serviço.

Quase 300 cidades no mundo já regulamentaram sua atuação. Entre elas, estão importantes destinos turísticos, como Londres, no Reino Unido, e Paris, na França.

A oferta de espaço adicional do Airbnb causa problemas por aumentar a pressão na infraestrutura turística, ao mesmo tempo em que retira imóveis do mercado de locação tradicional para os moradores nativos.

Recentemente, o site fechou um acordo com a prefeitura de Porto Seguro pelo qual vai pagar R$ 2,60 em impostos por cada dia de hospedagem contratado pela plataforma.

Um estudo da Fipe divulgado pelo Airbnb mostra  que, em 2016, a atividade do Airbnb em Florianópolis foi responsável por R$ 94 milhões no PIB do município.

De acordo com números divulgados pelo Estado de São Paulo, 2,2 milhões de pessoas se hospedaram em acomodações oferecidas por meio da plataforma no país em 2017, um crescimento de 120% na comparação com 2016. 

Hoje, 71% das ofertas disponíveis na plataforma no Brasil são de casas ou apartamentos inteiros, contra 27% de quartos privativos e 3% de quartos compartilhados.