Eduardo Prillwitz, sócio-fundador da Prill Tecnologia. Foto: Divulgação.

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) firmou um acordo de cooperação técnica e científica com a Prill Tecnologia. A parceria vai desde o desenvolvimento de projetos científicos e tecnológicos com pesquisadores da instituição até projetos com os próprios alunos – sempre voltados para a construção de soluções com aplicações reais.

As primeiras reuniões, já iniciadas, são referentes a trabalhos com internet das coisas (IoT). Depois de projetos com os pesquisadores e com os alunos, outros formatos também estão sendo discutidos, como palestras realizadas por profissionais da Prill Tecnologia para alunos da UERJ, apresentando questões práticas do dia a dia no mercado.

“A velocidade da evolução da tecnologia é tão grande que, ao buscarmos profissionais e estagiários para nossos times, percebemos como o cenário acadêmico também precisa se adaptar mais rapidamente”, diz Eduardo Prillwitz, sócio-fundador da Prill Tecnologia.

Para a diretora do Departamento de Inovação da UERJ, Marinilza Bruno de Carvalho, a cooperação vai trazer benefícios como aumentar o nível de especificidade e conhecimento prático dos alunos e levar mais rapidamente à sociedade os produtos desenvolvidos pela academia.

“Queremos transformar o conhecimento acadêmico em resultado para a sociedade, criando um ciclo que possa retroalimentar a instituição. Pretendemos levar para a academia nossa experiência, as demandas que percebemos na sociedade e buscar aplicações práticas das inovações tecnológicas desenvolvidas lá”, completa Prillwitz.

A Prill Tecnologia está desde 2002 no mercado e atua com integração de sistemas. A empresa possui mais de 50 funcionários no Rio de Janeiro e um escritório em São Paulo, aberto no final do ano passado. A companhia atende a clientes no segmentos de telecom, financeiras e seguros, como a Azul Seguros.

A Universidade Estadual do Rio de Janeiro tem 80 cursos de graduação, 38 de doutorado, 55 de mestrado, 52 de especialização e 39 programas de extensão. A instituição pesquisa e ensina com 349 laboratórios sendo 171 em desenvolvimento de inovação tecnológica, 5 incubadoras e 15 empresas juniores.