Sandro Cortezia é um dos sócios da Venti.

Começou a operar a Ventiur.net, uma aceleradora de empresas que reúne nome de peso do setor de TI e amplo apoio entre entidades, parques tecnológico e órgãos de governo do Rio Grande do Sul.

Compõem a aceleradora 12 sócios-investidores com planos de investir R$ 9 milhões em negócios inovadores até o final de 2015. O capital inicial é de R$ 600 mil.

Participam do grupo empresários gaúchos como Cesar Braga (Gestum), Fabio Defferrari (Defferrari), Fábio Furtado Ramos (Grupo Ciberbras), Márcio Coelho (Gad'Brivia), Siegfried Koelln (SKA) e Alexandre Costa (Perseus e Energy Telecom).

Também estão no grupo nomes conhecidos no meio empresarial como Carlos André Maltese Klein, ex-diretor executivo do Sebrae-RS e CEO da Esade, José Fernando Mattos, idealizador do PGQP e presidente da consultoria Index e Lando Kravetz, ex-VP do Citibank e diretor de vendas da com.

Ao todo, os participantes já investiram R$ 12 milhões nos últimos três anos a título pessoal em startups.

Também participam 17 profissionais atuando como mentores. Eles dedicarão de 4 a 12 horas mensais para os projetos da aceleradora.

O grupo inclui André Marcelo Knorst, diretor adjunto da AGDI, Carlos Eduardo de Souza Aranha, coordenador da Unitec, incubadora tecnológica da Unisinos, Dario Azevedo, professor da PUC-RS e ex-diretor técnico da Secretaria de Ciência e Tecnologia, Helio Galvão Ciffoni, coordenador do Escritório Ásia da Softex, Oscar Kronmeyer, gerente regional da Abinee-RS e Susana Kakuta, gestora executiva do Tecnosinos.

A gestão cotidiana da aceleradora será feita pela Venti Inteligência em Projetos, que cederá espaço físico, em parceria com Nós Coworking, Ionatec, Partec e Softsul. Um segundo momento deve incluir espaços em incubadoras da PUC-RS, Unisinos, Feevale e UFSM.

Em termos de apoio institucional, embarcaram na iniciativa todas as entidades empresariais de TI do RS (Assespro, Seprorgs, Softul, CETI, Abinee, Internetsul, ATIVales, CentroSoftware, TrinoPolo, AGETI), as prefeituras de Porto Alegre e Pelotas e o governo do estado, por meio da Procergs e Badesul.

“O Rio Grande do Sul estava ficando para trás quando o assunto é incentivo às startups. Conseguimos unir o setor de TI em torno disso”, comemora Sandro Cortezia, um dos diretores da Venti.

Cortezia foi diretor executivo da Associação do Polo de Informática de São Leopoldo e consultor responsável pelo Projeto Setorial de Software do RS, articulando cerca de 200 MPEs do setor de TI no estado.

De acordo com o diretor da Venti, a ideia da Ventiur.net é promover seleções de empresas interessadas trimestralmente, dando início a um processo no qual os interessados participariam de cursos e receberiam coaching para melhorar seus modelos de negócio e finalmente receber um investimento da aceleradas, do tipo feito por investidores anjo.

Os sócios-investidores tem autonomia para decidir em quem querem ou não investir.
Com uma articulação que incluiu quase todos os nomes relevantes da TI do Rio Grande do Sul – um leitor atento notará somente a ausência do Centro de Empreendimentos de Informática da Ufrgs – Cortezia não esconde que um dos objetivos da Ventiur.net é captar recursos de programas de incentivo do governo.

A maior oportunidade em um futuro próximo é o Startup Brasil para o qual o governo federal vai selecionar seis aceleradoras em todo Brasil visando conceder recursos da ordem de R$ 40 milhões para 150 startups do país até 2015.