VEEK

Nova MVNO usará marketing multinível

24/06/2016 13:32

A Veek, nova operadora móvel virtual, será focada especialmente em jovens da classe C. 

A Veek, nova operadora móvel virtual, será focada especialmente em jovens. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

Entrará em operação no Brasil até o final do ano a Veek, uma nova operadora móvel virtual (MVNO) focada especialmente em jovens da classe C. 

A proposta da empresa, segundo o MobileTime, é oferecer tarifa única para o minuto de voz (sendo em ligações para móvel ou fixo, local ou de longa distância), assim como uma tarifa única por megabyte trafegado e outra por SMS enviado. 

Outra característica que distingue a Veek das demais operadoras é a adoção do modelo de marketing multinível. Sendo assim, os usuários que convidarem outros clientes serão remunerados. Cada novo assinante adquirido via web gera R$ 5 para o usuário que convidou. 

Há também a possibilidade de se comprar um kit com dez SIMcards ao preço de R$ 100, que podem ser revendidos a R$ 20 cada, gerando um lucro de R$ 10 por assinante conquistado.

Além disso, o recrutador receberá 2,5% do valor de cada recarga feita pelos seus convidados diretos, mais 1% de cada recarga feita pelos convidados dos seus convidados, e outro 1% no nível seguinte. 

A empresa só atuará com planos pré-pagos. Para os usuários acompanharem o consumo e solicitarem atendimento, a empresa contará com um aplicativo móvel para Android e iOS.

O plano da Veek é disponibilizar uma calculadora para as pessoas compararem os preços dos serviços oferecidos pela empresa com as de operadoras tradiconais. Ao informar o quanto consumiu em minutos, megabytes e mensagens de texto no último mês com sua operadora, o usuários saberá quanto teria gasto na Veek. 

"Em 80% das vezes será mais barato na Veek", garante Alberto Blanco, criador da Veek, em entrevista ao MobileTime.

A meta da empresa é conquistar uma receita média por usuário de R$ 40 ao mês.

A Veek usará a rede da TIM, mas não tem contrato direto com a operadora, e sim com a Surf Telecom, uma MVNE (mobile virtual network enabler). A Surf Telecom fornecerá o core da rede e o sistema de billing para a Veek.

O fundador da Veek foi o primeiro diretor de marketing da Oi, responsável pelo lançamento da marca há quase 15 anos. Atualmente ele é CEO da agência de marketing Riot, que vai desenvolver a campanha de lançamento da Veek.

O Brasil conta outras MVNOs em operação, como Porto Seguro, Vodafone e Terapar. As características desse grupo são utilizar a rede de outras operadoras e comprar minutos, sms e dados no atacado, recebendo desconto em relação ao preço médio do varejo.

No final do ano passado, a Assembleia de Deus, maior denominação evangélica e pentecostal no mundo, com cerca de 66 milhões de fiéis globalmente e 22,5 milhões no Brasil, lançou no país a Mais AD, sua própria MVNO.

Já a Sisteer, MVNE francesa, recebeu autorização da Anatel para atuar como MVNO e assinou um contrato com a operadora Vivo, mas ainda não anunciou planos de iniciar as atividades no Brasil.

Segundo o 5G Americas, o mercado global de MVNO faturará entre U$ 70 bilhões e 90 bilhões em 2023. Atualmente, o alcance das linhas MVNO é de menos de 1% no Brasil. Na Colômbia, que lidera o segmento na América Latina, o índice fica em 6%.

Veja também

MAIS AD
Assembleia de Deus lança MVNO

A Mais AD é a terceira empresa de MVNO lançada no país - depois da Porto Seguro e Vodafone.

LTE
Ericsson: rede para Porto Seguro Conecta

As ofertas de serviço da MVNO Porto Seguro Conecta também se expandirão para LTE.

TELEFONIA?
Microsoft prepara MVNO para Windows

Empresa quer serviço próprio de telefonia celular para impulsionar ecossistema online de dispositivos Windows 10.

FABRICAÇÃO LOCAL
Sierra: plano para expandir M2M no país

Empresa expandiu portfólio de produtos no Brasil para aumentar sua presença comercial e atender novas demandas.

SMARTPHONES
TIM: Gemalto para mobile marketing

A solução mobile app push irá sugerir aos consumidores conteúdos para download.

TELECOM
Oi pede recuperação judicial

A Oi levou à justiça R$ 65,4 bi em compromissos para serem debatidos e reestruturados em juízo.