Obras no Afonso Pena. Foto: flickr.com/photos/pacgov/

A Infraero incluiu entre as exigências para os participantes do edital para as obras de ampliação do aeroporto Afonso Pena, na grande Curitiba, o uso de conceitos de gestão de projetos.

Seguindo um modelo sugerido pelo Project Management Institute (PMI), a Infraero impõe que a empresa ganhadora da licitação tenha mais responsabilidade no planejamento de toda a obra e não apenas na execução do trabalho, como ocorre na maioria dos projetos no governo.

Após as obras, a capacidade de movimentação de passageiros no Afonso Pena deve dobrar, passando dos atuais 7,8 milhões de usuários/ano para 14,6 milhões de usuários/ano. A previsão de investimentos é de R$ 41,3 milhões.

Até agora, só a Petrobrás fazia uma exigência similar, segundo informações da Revista Amanhã. Na Infraero, o uso da metodologia ainda não está consolidado.

No edital lançado pelo Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre – que, assim como Curitiba, será cidade-sede da Copa do Mundo – não consta o mesmo requisito.