Edimilson Corrêa está na OpenTech.

Edimilson Corrêa, profissional que foi diretor de produto e tecnologia da Datasul e após a fusão com a Totvs comandou o centro de desenvolvimento em Joinville, assumiu a vice-presidência de Desenvolvimento de TI e Serviços da OpenTech.

O cargo acaba de ser criado. Corrêa ficará responsável pela supervisão das diretorias de Marketing e Serviços, ocupada por Sérgio Grisa, e a de Desenvolvimento de TI, comandada por André Bachmann.

“Além de nos firmarmos como uma empresa de logística e gerenciamento de risco queremos nos destacar pelo desenvolvimento de soluções tecnológicas personalizadas”, afirma Alfredo Zattar, presidente da OpenTech.
 
A OpenTech atua na área de logística e gestão de riscos, atendendo a mais de 700  clientes de todo o país. São 21 mil motoristas cadastrados em clientes como ABC Cargas, Alcoa, Seara e Transcap.

Sediada em Joinville, a empresa recebeu em abril um investimento de R$ 10 milhões do DLM Brasil IT, fundo de private equity gerido por dois ex-sócios da Datasul Paulo Caputo e Jorge Steffens.

Na época, foi divulgado que o investimento poderia chegar a R$ 18 milhões caso a companhia realize aquisições, o que ainda não foi anunciado oficialmente.

O investimento é mais um tiro dos ex-Datasul no alvo da gestão e monitoramento de frotas.

Em 2010, Steffens e Caputo, junto com o também ex-executivo da Datasul Giovani Amaral, adquiriram da Totvs, por R$ 400 mil, o software de gestão de frotas Sofit 4Transport.

O software era desenvolvido pela Datasul e foi comprado pela Totvs junto com a empresa, lá em 2007.

Com isso, nasceu a Sofit, que em seu lançamento anunciou a meta de faturar R$ 11 milhões em cinco anos, tendo fechado o primeiro ano de atuação com mais de 100 novos clientes.

A OpenTech, por outro lado, mantém vínculos com a Totvs: no meio de 2012, as empresas assinaram contrato de integração do SIL (Sistema Integrado de Gestão), da catarinense, ao portfólio de soluções para gerenciamento de transportes da companhia paulista.

A integração resultou no software Totvs Rastreamento de Frotas powered by OpenTech.

Segundo disse ao Baguete o diretor superintendente de Segmentos da Totvs, Gilsinei Hansen, a solução não concorre com a Sofit porque, enquanto esta tem soluções pontuais voltadas para manutenção de frotas, a ferramenta integrada com a Opentech entrega recursos que passam por gestão de transporte, definição de rotas, romaneio, coleta e entrega de cargas, controle de emissão de conhecimentos de transporte, WMS, manutenção, chegando até as atividades de backoffice.

Tanta movimentação não é à toa: o mercado brasileiro de rastreamento de veículos e gestão de frotas movimentou R$ 1,5 bilhão em 2012.

Das empresas usuárias, 39% pretendem aumentar investimento na área em 2014.

É o que aponta um estudo do IDC, segundo o qual as verticais que mais investem neste tipo de tecnologia são varejo, seguradoras e as chamadas iscas eletrônicas, mercado relativamente novo, mas que movimentou R$ 64 milhões em 2012, com projeção de crescer a 30% nos próximos anos.