Solução em uso no Pão de Açúcar. Foto: Divulgação.

O Grupo Pão de Açucar contratou o software Mobile Retail Suite (MRS), da gaúcha Tlantic, para o gerenciamento de processos de lojas.

Ao longo deste ano, o sistema será implantado em 45 unidades do grupo que fechou 2011 com lucro de R$ 718 milhões, alta de 16,1% sobre 2010.

Em 2013, o uso se expandirá às mais de 500 lojas da rede em todo país.

Conforme o CIO do Pão de Açucar, Ney Santos, a suíte ajuda a controlar e diminuir rupturas no atendimento de loja, aumentando a produtividade dos colaboradores e retendo custos.

No grupo, o software gaúcho é integrado a PDAs Motorola e, com isso, permite mobilizar informações de múltiplas fontes para diversos usuários em campo.

“O MRS integra as operações de varejo do centro de distribuição ao chão da loja, podendo chegar aos smartphones dos executivos e dos próprios clientes”, explica Reginaldo Back, diretor da Tlantic.

De desenho modular, baseado em tecnologias abertas, o sistema também permite a adição de novas funcionalidades por parte das empresas usuárias.

“Com a Tlantic, já desenvolvemos iniciativas relevantes, como em e-commerce e m-commerce. Agora, estendemos o relacionamento para a área de mobilidade”, destaca o CIO do Pão de Açucar.

Segundo ele, a implantação do MRS in store permite a cobertura de cerca de 20 processos, que vão desde reposição, preços, estoques, encomendas, até todo o tipo de auditorias, gestão de tarefas, informações aos clientes.

“Isso permite que os empregados estejam sempre onde está a ação: no chão de loja, junto dos clientes”, confirma Back.

QUE SUCESSO
Além do Pão de Açucar, grandes varejistas internacionais já utilizam a solução.

Um deles, o grupo irlandês Musgrave, que foi de Mobile Retail Suite para gerenciar mais de 300 caminhões de sua frota.

Neste caso, o software permite monitorar em tempo real todos os paletes e gaiolas onde os produtos são transportados, além de disponibilizar rotas, mapas, ocorrências, entregas a lojas e recolhimentos nos fornecedores.

DE CASA
Outro cliente da suíte é o grupo Sonae, que usa o MRS em todas as suas 14 cadeias de lojas.

“Anualmente, a Sonae conseguiu poupar cerca de € 10 milhões com a solução, atingindo o ROI em menos de um ano”, destaca Back.

Além das lojas, a rede utiliza o software em mais de quatro mil PDAs em 1 mil lojas na Europa.

EXPANSÃO LOCAL
A Tlantic nasceu de uma spin off da Sonae Brasil, em 2004.

Com isso, foi pré-designada a exportar software para o grupo varejista na Europa, o que fez com que, tradicionalmente, a maior fatia do faturamento viesse do exterior.

Em 2011, a história começou a mudar: a empresa cresceu 20% no Brasil, enquanto na Europa, mercado que costumeiramente responde por 80% dos negócios gerais, as vendas sofreram retração, em função da crise mundial.

Para 2012, a meta é mudar este percentual para uma escala 70% fora, 30% no Brasil, e seguir aumentando o faturamento interno nos próximos anos.

Para tanto, contratos com redes como o Pão de Açucar, O Boticário e Carrefour, por exemplo, impulsionam a estratégia.

GRANDONA
É claro que o mercado exterior não sai do foco: em expansão lá fora, a Tlantic vende hoje para Portugal, Espanha, Irlanda, Turquia, Ilhas canárias, Oriente Médio, África do Sul, Reino Unido e França, entre outros.

Com tudo isso, a empresa porto-alegrense fechou 2011 com faturamento na casa dos R$ 20 milhões, cerca de 20% a mais do que em 2010.

LEQUE VARIADO
Além do MRS, a oferta da Tlantic inclui o Workforce Management, para gestão de escala de trabalho e automação do processo com base no histórico e previsão de vendas, garantindo aderência à legislação trabalhista.

Outra solução é o PowerSheets, software colaboração transversal e interoperável que integra interfaces a qualquer arquitetura de sistemas.

A companhia, que tem cerca de 120 colaboradores, também atua nas áreas de ERP, BI, e-commerce, integração de sistemas e serviços de suporte.

Com sede no Tecnopuc, em Porto Alegre, a Tlantic tem unidades em São Paulo e Portugal, onde recentemente instalou um time de desenvolvimento para atender à região EMEA.

“Mas o desenvolvimento é prioritariamente concentrado em Porto Alegre”, finaliza Back.