Anatel de olho na qualidade do sinal de celular. Foto: flickr.com/photos/moosmom.

Tamanho da fonte: -A+A

A Anatel adquiriu por R$ 1,6 milhão uma plataforma de testes para avaliar a cobertura e qualidade da rede móvel.

Segundo a agência, o objetivo é fiscalizar se as operadoras estão cumprindo as obrigações previstas nos leilões das sobras (2007, da 3G (2007) e da banda H (2010) até 2016.

A compra foi realizada através da empresa NGN Telecom, de Barueri/SP, vencedora de pregão eletrônico.

Ao todo, foram comprados oito kits do sistema Nemo Invex, produzido pela empresa americana Anite, especializada em soluções de telefonia móvel.

Segundo o diretor da NGM Telecom, Fábio Acquati, o equipamento, composto de scanners, receptores e o software de análise, é para o uso em campo, fazendo uma espécie de benchmarking do sinais das diferentes operadoras.

"Eles podem ser instalados em carros, percorrendo as ruas e fazendo no ato um comparativo de qualidade do sinal e do serviço", explica Fábio.

O equipamento servirá também para medir a qualidade dos serviços de SMS e de banda larga, previstos nos regulamentos de qualidade, que passam a valer em outubro deste ano.

Para a Anatel, a justificativa é de que, até o momento a agência não dispõe de instrumental para realização das atividades de verificação do cumprimento dos compromissos de abrangência.

A verificação é feita utilizando aparelhos celulares fornecidos pelas prestadoras, assim sendo a quantidade de pontos medidos é pequena e a precisão das medidas baixa.

MAIOR PRECISÃO

Depois de quebrar os pratos com as operadoras, suspendendo a venda de chips de uma operadora por estado com base na quantidade de reclamações de usuários, a Anatel dispõe agora de ferramentas para avaliar o serviço de telefonia móvel.

Segundo a Anatel, com a plataforma, os testes, apesar de serem de caráter amostral e com limitações estatísticas de confiabilidade, permitem a produção independente e isenta de indícios sobre as condições de atendimento pelas prestadoras de várias das obrigações de qualidade.

Permitirá ainda a avaliação de outros indicadores de qualidade, como por exemplo a avaliação de interrupções sistêmicas na rede e contas, metas que têm grande apelo junto aos usuários.

A compra abrange o treinamento de funcionários da Anatel para operação da plataforma. A NGN Telecom Tecnologia terá 180 dias para entregar todos os produtos previstos no contrato, assinado na semana passada.

A Anatel esclarece que a medição da qualidade da banda larga móvel pela nova plataforma não invalida nem se sobrepõem à averiguação feita pela Entidade Aferidora da Qualidade (AEQ), prevista no regulamento e suportada pelas prestadoras.