Julio Semeghini.

Julio Semeghini deixou o cargo de secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

De acordo com o site Convergência Digital, Semeghini pretende encerrar a carreira na iniciativa privada.

Com a saída de Semeghini da vida política, o setor de TI perde um interlocutor importante dentro do governo e uma voz importante em Brasília.

Semeghini iniciou sua carreira pública nos anos 90, quando assumiu a presidência da Prodesp, estatal de processamento de dados de São Paulo e da Softex, agência do governo brasileiro para promoção de exportação de software.

Ele também foi deputado federal pelo PSDB paulista por quatro mandatos consecutivos, sendo presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados por um período.

Mais recentemente, Semeghini foi subsecretário de Tecnologia e Serviço ao Cidadão de João Dória até o prefeito de São Paulo sair do posto para concorrer ao governo estadual.

No governo Bolsonaro, do qual participou desde o começo, Semeghini esteve à frente da nova redação da Lei de Informática visando atender a imposições da Organização Mundial do Comércio.

Ele também esteve à frente do Plano Nacional de Internet das Coisas, área que permaneceu no guarda-chuva do MCTI.

Uma das últimas intervenções mais visíveis de Semeghini no governo foi um esforço para resgatar a Ceitec, estatal de fabricação de chips sediada em Porto Alegre.

Semeghini esteve no lado oposto na briga com a ala privatista do governo, liderada pelo secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, que busca liquidar o Ceitec.

Mattar, aliás, também deixou o governo recentemente. A situação da Ceitec segue indefinida.