Hypera Pharma decidiu ficar na mesma versão do seu ERP. Foto: Pexels.

A Hypera Pharma, uma das maiores empresas farmacêuticas do Brasil, contratou a Rimini Street para fazer o suporte do seu sistema de gestão SAP ECC 6.0, além do banco de dados Microsoft SQL Server e do software SAP BusinessObjects.

Antes, as três soluções tinham suporte direto da SAP.

A empresa também trocou o Central Monitoring do Solution Manager da SAP para o Rimini Street Watch, garantindo monitoramento contínuo a seus sistemas SAP. 

Segundo relata a Rimini em nota, a decisão de terceirizar o suporte foi tomada para manter o ECC 6, um ERP “altamente customizado atendia perfeitamente às necessidades de negócios da Hypera” no lugar de migrar para o S/4 Hana, uma decisão que “não fazia sentido aos negócios no curto prazo”, uma vez que “não havia ROI que justificasse uma nova implementação”.

“Manter nosso suporte ao ERP com a SAP significava permanecer na zona de conforto. A Rimini Street mostrou que a mudança para o suporte independente vale a pena, trazendo redução de custos de manutenção e suporte aos sistemas de TI e viabilizando o direcionamento desses recursos para nossas metas de negócios atuais”, afirma Humberto Guimarães, Head de Procurement da Hypera Pharma.

A nota da Rimini não chega a abrir valores ou um percentual, mas a companhia promete reduzir os custos de manutenção de aplicações de ERP em 50% com o seu suporte terceirizado.

A receita da Hypera no trimestre de 2020 ficou em R$ 815 milhões, alta de 112,5% em comparação com os primeiros três meses de 2019, quando havia totalizado R$ 383,6 milhões.

A empresa é dona de uma série de marcas no segmento de medicamentos OTC (over the counter, ou "sobre a bancada", isentos de prescrição médica), incluindo marcas como Maracujina, Benegrip, Engov e Epocler, entre outras. 

A decisão da Hypera Pharma é uma má notícia para a SAP, que está empenhada em migrar os seus clientes para o S/4, a última versão do software de gestão da SAP, que roda exclusivamente sobre o banco de dados em memória Hana.

Lançado em 2015, o S/4 Hana é a maior tacada da SAP em muitos anos. A migração para um novo software de gestão, rodando sobre um novo hardware, é, no entanto, um movimento complexo que muitas empresas estão protelando.

O prazo inicial para o fim do suporte das gerações anteriores era 2025, mas no começo do ano a SAP decidiu fazer uma prorrogação até 2027, um sinal de que a multinacional alemã decidiu pegar mais leve e dar mais tempo para os clientes.

O quadro é uma mina de ouro para empresas como a Rimini, cuja proposta é manter a versão atual sem fazer atualizações por tempo indeterminado. Na visão da empresa, ERP é um "commodity" e o dinheiro da atualização pode ser melhor gasto em outra coisa.

A Rimini está no Brasil desde 2011 e tem atualmente tem quase 100 clientes no Brasil, incluindo Algar Telecom S.A, Bombril, Cacau Show, CPFL Energia e Peixe Urbano.