O interesse da Apple na indústria automotiva pode resultar em uma negociação com a McLaren. Foto: Divulgação.

O interesse da Apple na indústria automotiva pode resultar em uma negociação com a McLaren. A companhia liderada por Tim Cook tem planos antigos de criar um carro elétrico autônomo. 

A especulação sobre esse objetivo se intensificou com uma matéria do Financial Times que relata conversas da Apple com a McLaren para fechar um acordo de aquisição.

Mesmo com a fama principal de ser uma equipe da Fórmula 1, a britânica McLaren também produz carros esportivos.

De acordo com o FT, três fontes ligadas às negociações relatam que a Apple considera a aquisição total da McLaren ou um investimento estratégico. A publicação detalha que as conversas começaram há meses.

No entanto, a McLaren divulgou um comunicado que nega o artigo, que chega a dizer que a Apple poderia comprar a fabricante de automóveis por quase US$ 2 bilhões.

A Apple não comentou o assunto, o que não é uma surpresa. A empresa nunca sequer confirmou os planos de construir um carro elétrico autônomo.

Para a Bloomberg, os planos atuais da Apple seriam trabalhar na criação de um software para veículos autônomos, em vez de fabricar um carro. Nesse caso, o negócio com a McLaren faz ainda mais sentido. 

A Apple há muito tempo domina a eletrônica de consumo, mas a construção de carros é exponencialmente mais difícil, argumenta o The Wired. Automóveis têm uma década ou mais de vida, e devem suportar todos os cenários imagináveis e ​​extremos, o que torna a experiência com veículos muito específica e diferente da que a Apple enfrenta.

A McLaren pode não estar focada no mercado de carros que dirigem sozinhos, mas está entre as empresas referência em engenharia no mundo. Ela por complementar os conhecimentos da Apple, oferecendo experiência de engenharia, ciência de materiais, fabricação e design.

Outra faceta da companhia é a Mas a McLaren Applied Technologies, empresa desmembrada em 2004 para aplicar conhecimentos da F1 em outras indústrias. O time da companhia atuou em projetos para reduzir atrasos de voos no aeroporto de Heathrow, melhorar a vigilância de saúde de vítimas de derrame, tornar uma fábrica de pasta de dentes mais eficiente.