CENTRO, MISSÕES E MAIS

Brasil em ataque ao Vale do Silício

22/08/2013 12:10

Inaugurado o Centro de Negócios da Apex-Brasil em São Francisco, com Espaço Start-Up Brasil.

A bela São Francisco no foco da TI brasileira. Foto: Flickr.com/richard_migliore

Tamanho da fonte: -A+A

Será inaugurado nesta quinta-feira, 22, o Centro de Negócios da Apex-Brasil em São Francisco, no Vale do Silício, com escritório de internacionalização para empresas brasileiras que miram a Costa-Oeste norte-americana e Espaço Start-Up Brasil.

O escritório conta com serviços de suporte à internacionalização, inteligência de mercado, promoção comercial e acesso a investidores. Já a estrutura para empresas nascentes é voltada a participantes do programa Start-Up Brasil, criado pelo MCTI.

"A chegada da Apex-Brasil ao Vale do Silício se dá com o intuito de projetarmos a imagem de um país que pode contribuir para o desenvolvimento tecnológico do mundo”, diz o presidente da Apex-Brasil, Mauricio Borges.

Para as startups, as entidades também promovem a Tech Mission 2013, missão que leva 12 empresas para uma série de compromissos na região do Vale do Silício, com apoio da Brazil Innovators , rede de empreendedores digitais voltada à aproximação entre empresários, investidores, mídia e governo.

Tudo dentro da programação que a Apex vem desenvolvendo para os brasileiros desde o domingo, 18, na Califórnia, e que nesta quinta terá também o Brasil IT+ Seminar, workshop com exposição de cases da Stefanini, Totvs, CI&T/J&J e Movile, companhias nacionais que já operam nos EUA.

A expectativa é reunir 200 convidados, entre empresários e representantes de governo brasileiros e norte-americanos, para detalhar oportunidades de negócio.

Estão confirmadas as participações de Virgílio Almeida, secretário de Política de Informática do MCTI; Paulo Bezerra, diretor de desenvolvimento de Mercado da Brasscom; Gabriel Tinti, diretor de desenvolvimento de negócios da Stefanini; Fabio Carmona, gerente regional da CI&T/J&J; Eduardo Henrique, co-fundador e responsável pelas operações da Movile nos EUA, e Vicente Goetten, diretor-executivo da Totvs.

“Estamos convictos de que a inovação é fundamental para agregarmos valor às soluções desenvolvidas pelas companhias brasileiras e, por sua cultura open innovation, a costa leste se mostra o ambiente ideal para estimularmos esse intercâmbio tecnológico”, analisa Gláucia Chiliatto, gerente-executiva Internacional da Softex e uma das palestrantes do seminário.

Outro evento marcado para esta quinta, 22, é o Brasil Summit, que também acontece em São Francisco e é voltado à área de semicondutores.

Deste, participam empresas, entidades e agências de fomento a investimentos como BayBrazil,  Applied Materials, Nortons Group, Freescale, Qualcomm, High Street Partners, Macquarie Equipment Finance, Analog Devices, Areias Systems, Ceva, Crocus, Cortina Systems, Consulate of Brazil, Cypress Semiconductor, SanDisk e Atacama Ventures.

MAIS

As iniciativas incrementam esforços já anunciados no fim de julho pela Apex e Fundação Dom Cabral (FDC), com foco na instalação de 20 empresas brasileiras nos EUA até 2015, dentro do Programa Internacionalização e Competitividade (Inter-Com).

A ação integra um plano de investimentos da Softex e Apex que prevê a liberação, até agosto de 2014, de mais de R$13,6 milhões em ações de promoção comercial da TI brasileira no exterior.

Conforme a assessoria de imprensa da Apex Brasil, o investimento não engloba as atividades desta semana.

Na nova edição, o Inter-Com projeta ir além da exportação, área na qual Softex e Apex já mantêm projetos que desde 2005 beneficiaram mais de 200 empresas de 15 verticais de atuação.

A meta é incrementar a presença física das companhias nacionais pelo mundo.

DO COMITÊ?
Nem Apex, nem Softex mencionam, mas o Inter-Com parece partir da criação, em abril deste ano, de um Comitê Gestor do Projeto Setorial para a Internacionalização do Setor de TI, composto pelas paranaense CINQ Technologies, as paulistas Totvs, P3D, Visent, I4PRO, Concert e a carioca Módulo.

As companhias integrantes do comitê teriam influência no direcionamento das verbas da organização.

Conforme informações a que o Baguete teve acesso, o comitê faria parte de um novo modelo de atuação da Softex. Na época, fontes revelaram inclusive a criação da diretoria de operações da entidade.

OUTRAS FRENTES
Nem só de Apex e Softex se alimenta a internacionalização da TI brasileira: há pouco a Faculdade Senac Porto Alegre abriu inscrições para uma missão acadêmico-empresarial para o Vale do Silício, com apoio da Fecomércio-RS e do Seprorgs.

A viagem acontecerá entre 08 e 17 de novembro, com visitas à Intel e um workshop na Câmara de Comércio de Santa Clara, cidade sede de empresas como Agilent, Extreme Networks, McAfee e a própria Intel.

Os pacotes, com voos da Taca saindo de Porto Alegre para São Francisco, com escalas em Lima e El Salvador, e hospedagem em hotel três estrelas na região do Fisherman's Wharf, variam de US$ 3.180 a US$ 4.118, com entrada de 20% e saldo em nove vezes.

Mais informações pelo telefone (51) 3022.1044.

Veja também

OPORTUNIDADE
Senac promove missão no Vale do Silício

A viagem acontecerá entre 8 e 17 de novembro, com visitas confirmadas à Intel e um workshop em Santa Clara.

EXCLUSIVO
Softex tem comitê de internacionalização

Comitê gestor é composto pela paranaense CINQ Technologies, as paulistas Totvs, P3D, Visent, I4PRO, Concert e a carioca Módulo.

DOM CABRAL
Sul e TI bem na internacionalização

Região tem nove companhias em ranking de transnacionais da Fundação. Já o setor de TIC figura com seis empresas. 

MOVIMENTO REVERSO
Predicta abre no Vale do Silício

Paulista de marketing digital que tem participação minoritária da RBS amplia presença brasileira no polo americano.