COMPETIDOR

SlicingDice, o banco de dados brasileiro

22/03/2019 14:55

Startup esteve no SXSW 2019 com tecnologia que visa desafiar gigantes do setor de dados.

SlicingDice esteve expondo no South by Southwest 2019.

Tamanho da fonte: -A+A

A SlicingDice, uma startup paulista com apenas quatro anos de existência, está disposta a concorrer com Amazon, Google e Oracle no mercado de banco de dados, com uma solução própria, um fato relativamente raro no mercado.

A companhia esteve no South by Southwest 2019, em Austin, nos Estados Unidos, como parte de um grupo de 40 empresas nacionais levadas pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil).

A empresa é parte da holding de startups Simbiose Ventures, que em 2012 começou a desenvolver do zero um banco de dados, visando atender uma demanda interna de um projeto de Big Data que ela acredita não estar sendo bem respondida por ferramentas como Google BigQuery, Amazon Redshift e ElasticSearch. 

Atualmente existem pouco mais de 300 empresas de banco de dados no mundo e só algumas delas criaram um banco de dados do zero, isto é, desenvolveram uma tecnologia própria até na camada mais baixa, a do armazenamento de dados. 

“Ao criarmos algo do zero, tivemos a oportunidade de repensar conceitos e verdades, de fazer algo totalmente diferente e inédito, levando em consideração o cenário da computação atual, e não a de 10 ou 20 anos atrás”, explica Gabriel Menegatti, fundador da startup.

De acordo com Mengatti, o pulo do gato do produto da SlicingDice é no campo de compressão de dados.

De acordo com os brasileiros, o produto é duas vezes e meia mais rápido e econômico que a Terark, startup chinesa considerada uma das melhores do mundo em compressão de dados e que, recentemente, recebeu investimentos vultosos de fundos americanos. 

Um exemplo, com números: um banco de dados com 9.300 MB de tamanho são comprimidos pela startup brasileira a apenas 980 MB, ao passo que a concorrente chinesa, a 2.579 MB.

O produto inclui ferramentas de ETL (Extract, Transform and Load) e de BI (Business Intelligence) integradas, o que dispensa custos em licenças para uso desses softwares. 

“Ninguém, no mundo, tem uma solução totalmente integrada e com custo acessível; somos os pioneiros!”, garante Menegatti, destacando que a empresa tem a maioria dos clientes fora do país, com um produto na nuvem e escalável.

* Ary Filgueiras, diretor da BusinessPress Brasil, cobriu o SXSW direto em Austin para o Baguete. 

Veja também

CRESCIMENTO
Neurotech tem receita de R$ 38 milhões em 2018

A expectativa é encerrar 2019 com um faturamento superior a R$ 50 milhões.

MUDANÇAS
Tendências para data center em 2019

Em 2018, uma tendência em tecnologia se tornou o centro das atenções: a Edge Computing.

COISAS
Sonda vende IoT da Sigmais

Gigante fechou acordo com startup capixaba para entrar em novo mercado.

FUTURO
Neoway adquire Sevennova e planeja IPO

O negócio foi fechado em US$ 15 milhões.

PREVISÃO
IDC Brasil: mercado de TI cresce 10,5% em 2019

Será o ano para tirar o pé da lama no mercado de TI?

BI
MicroStrategy fará ampliação no Brasil

Novo VP América Latina da MicroStrategy, Amaury Gallisa, revelou planos para o país.

EM ALTA
Semantix dobra para R$ 60 milhões

Empresa é a principal parceira na América Latina da Cloudera.

INDÚSTRIA 4.0
Sequor: produto mira mercado mundial

O Lumen é a primeira grande tacada da Sequor depois de ter vendido o controle para a SNEF.

SAÚDE
Funcional terá data lake com Globalweb

A revisão dos processos para a criação do Data Lake irá resultar na utilização de novas ferramentas de analytics e data science.

MOBILIDADE
Gerdau usa SAP Leonardo em app

A solução é voltada para o recebimento de sucata na planta da empresa