Black Friday, dia de descontos e loucura consumista. Foto: flickr.com/photos/jassy-50.

Se o e-commerce brasileiro promete uma grande mobilização com as ofertas do Black Friday nacional, as lojas online do Sul estão de fora da promoção. Somente as Lojas Colombo e a Taqi aderiram à campanha, que ocorre nesta sexta-feira, 23.

Criado pelos varejistas dos Estados Unidos, o Black Friday foi trazido para o Brasil pelo site Busca Descontos, em uma promoção que contará com cerca de 40 lojas virtuais de todo o país, promovendo descontos de até 70% em seus produtos.

A Colombo e a rede Taqi representam os varejistas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, participando pela segunda vez do Black Friday.

Com a presença, a empresa mostra que ainda investe em sua operação de e-commerce em nível nacional, mesmo com o recuo nas lojas físicas fora do Sul. Na semana passada, a Colombo vendeu suas 65 lojas em São Paulo e Minas Gerais para a rede paulista Cyberlar.

De acordo com Paulo Kendzerski, diretor da WBI Brasil, o e-commerce do Sul perde uma grande oportunidade com a ausência na promoção.

"O e-commerce é uma grande chance de expandir a base de clientes para outros estados, e com a exposição nacional que esta campanha proporciona, seria uma grande chance de fazer isso", destaca.

Segundo explica Kendzerski, para participar da promoção, empresas desembolsam cerca de R$ 4 mil, um valor baixo em relação ao volume de vendas, que em 2011 chegou a R$ 100 milhões.

"Custa menos que um anúncio de rodapé em um jornal de grande circulação em Porto Alegre, sendo que é uma promoção com alcance nacional, com a participação de grandes players", destaca.

Empresas como Walmart, Submarino, Casas Bahia, Dell, Netshoes, TAM e Magazine Luíza são alguns dos participantes.

REGIONAL

Para Kendzerski, a culpa pela escassa participação do varejo sulista no Black Friday não é somente das lojas. Embora seja uma iniciativa de grande força no meio online, o diretor da WBI reconhece que, por aqui, a campanha não recebeu a mídia necessária para se alavancar.

"Muitas lojas daqui do Sul nem ficaram sabendo da existência desta promoção", afirma.

O fraco investimento e atuação das marcas do Sul no e-commerce se reflete nos números. Se no meio físico, o regional ainda ganha força, no e-commerce o consumidor da região não é bairrista.

Segundo estudo da WBI realizado no Rio Grande do Sul, das dez marcas líderes do comércio eletrônico, somente duas - Colombo e Taqi – são varejistas locais.

E-COMMERCE

Segundo Fernando Di Giorgi, da Uniconsult, o Black Friday foi criado nos Estados Unidos como uma grande desova para as lojas liberarem espaços em seus estoques para a temporada de Natal.

No caso do e-commerce, conforme aponta o analista, também é uma chance de preparar sua logística de entrega para o pico de vendas que chega com o final de ano.

"Em outra época se ia pensar que fez isso porque ninguém comprou deve ser porcaria. Mas quando a desova é institucional não fica tão chato", explica.

De acordo com a e-bit, atualmente no Brasil são mais de 37 milhões de e-consumidores. No primeiro semestre, o comércio eletrônico faturou R$ 10,2 bilhões, resultado de aproximadamente 29,6 milhões de encomendas feitas junto às lojas virtuais brasileiras.

A estimativa é de que em 2012 as vendas online superem a previsão não alcançada em 2011, de R$ 20 bilhões. Em 2011, fecharam em R$ 18,7 bilhões.