Jovens do Miniempresa em ação.

Os 500 estudantes de  24 escolas públicas e privadas que participaram do Programa Miniempresa da Junior Achievement Rio Grande do Sul, não se saíram nada mal como empresários.

Das 21 empresas formadas, 16 deram lucro e apenas quatro deram prejuízo. Uma ficou no empate.  Os jovens tiveram o apoio de 100 voluntários.

O lucro total foi de R$ 91 mil, o que dá uma média de R$ 5,6 mil por miniempresa. Como bons empreendedorismo, os jovens também marcharam bonito em impostos: R$ 25 mil no total.

O prêmio de melhor miniempresa foi para a Bamboom S.A/E, formada por estudantes do Colégio Farroupilha. Eles criaram um amplificador de som sustentável para o Iphone, fabricado com bambu.

A miniempresa LP160, do Colégio Anchieta, levou os prêmios de maior rentabilidade e produto destaque. Eles também criaram um amplificador, o Écone, só que feito de vinil.

O produto alcançou rentabilidade de 3.900%, e a empresa faturou com a comercialização mais de R$15 mil.
Os alunos do Anchieta também receberam o prêmio de melhor relatório, e o aluno Augusto Nardin, que vendeu 383 amplificadores, foi eleito o vendedor destaque.

As miniempresas Dreamers S.A/E, do Colégio ACM, e Customicase S.A/E, do Colégio Marista Champagnat, receberam os prêmios de Destaque em RH e Destaque em Marketing, respectivamente.