Giovanni Sugamosto, diretor comercial da Mega. Foto: Divulgação.

A Danlex, companhia de prestação de serviços especializada em logística, manutenção, call center, facilities e telecom, adotou o Planier, versão em nuvem do sistema de gestão (ERP) da Mega.

A empresa tem 1,2 mil clientes e 980 funcionários. O objetivo da implementação foi expandir a atuação da companhia. Com o uso da ferramenta, a empresa tem o controle total dos projetos, desde a elaboração das propostas, detalhando cada etapa do planejamento e acompanhamento da execução. 

“A quantidade de clientes que temos hoje e o crescimento no mercado nos demanda uma necessidade muito grande de controle. O nosso objetivo é otimizar processos e garantir uma administração global de maneira eficiente”, afirma Kleber Karamashi, diretor financeiro da Danlex. 

A escolha pela versão Planier foi para que a tecnologia possa chegar a todos os departamentos de uma forma eficiente, pois o sistema funciona 100% na web e possui extensão para celulares. 

A adoção do ERP da Mega por empresas de serviços tem crescido e hoje representa 10% do faturamento da companhia.

“As tecnologias de gestão não são mais restritas a grandes indústrias ou empresas que atuam em segmentos mais robustos, como construção e agronegócio. Cada vez mais outros setores enxergam valor agregado em tecnologias que ajudam a ter uma percepção da empresa inteira e não só de alguns setores”, explica Giovanni Sugamosto, diretor comercial da Mega.

Para lançar a versão do ERP na nuvem, anunciada em 2017, a Mega investiu R$ 10 milhões.

“Nossa expectativa é que 20% da base migre para o novo software já neste ano”, explica Marcos Malagola, diretor de tecnologia da Mega.

Hoje a base de 2 mil clientes usa, na sua maioria, o software on-premise ou hosteado, dentro de um modelo de licenciamento.

Para Malagola, a transição deve ser simples, uma vez que o Planier é também baseado em banco de dados da Oracle, o que facilita a migração das informações.

Como atrativos, o Planier oferece o modelo de cobrança com custos a partir de R$ 1 mil mensais para até cinco usuários, incluindo aí licença, hospedagem e infraestrutura da Ascenty.

Com 30 anos de mercado, a Mega tem sede em Itu, interior de São Paulo, e uma presença mais forte na vertical de construção. Outros mercados atendidos são manufatura, logística, combustíveis, agronegócios e serviços.

No ano passado, a empresa registrou receita de R$ 75 milhões, o mesmo resultado de 2015.