As inkjet puxam o mercado de impressão. Foto: divulgação.

A IDC Brasil divulgou números sobre o mercado de impressão no país no primeiro trimestre de 2013, e constatou uma sutil recuperação do setor, com um crescimento de 3,2% sobre o último trimestre de 2012.

Mesmo assim, no trimestre, que registrou cerca de 945 mil equipamentos de impressão vendidos, o faturamento ficou 20% a menos que o mesmo período em 2012.

De acordo com a consultoria, o setor ainda é puxado pelas impressoras jato de tinta, que representam 74,5% do o volume de máquinas vendidas no país, com 705 mil unidades vendidas no trimestre. Em seguida vem a tecnologia laser, com 24,6% e as matriciais, com 0,8%.

Para Diego Silva, analista de mercado da IDC, a recuperação é reflexo de uma reformulação das fabricantes, com acirradas disputas de preços e medidas agressivas visando o ganho de market share.

"Os players deste mercado estão direcionando suas ações para a melhoria da margem de lucratividade e reposicionamento de suas linhas de produtos para um patamar superior de funcionalidades e capacidades”, diz.

Para a consultoria, a oferta de produtos wi-fi também é um dos fatores que impactaram positivamente o mercado, uma vez que a mobilidade (tablets, smartphones e notebooks) nos segmentos doméstico e de pequenas empresas tem crescido de forma exponencial no Brasil.

A IDC divulgou ainda os números do forecast para o ano de 2013. O mercado jato de tinta deverá movimentar 2.9 milhões de equipamentos, e os equipamentos laser pouco mais de 1 milhão de unidades, que representa, respectivamente, queda de 4.8% e crescimento de 7.0% em relação ao ano de 2012.

Em números gerais, a expectativa da IDC em 2013 é que o mercado de impressão no Brasil tenha breve retração de 1,9% (em relação a 2012) e movimente 4 milhões de equipamentos.

“Mesmo com a retração em unidades vendidas, esperamos que os players tenham um ano de importante recuperação nas margens de lucratividades e nas receitas”, complementa o analista.