Italo Nogueira, presidente da Federação Assespro. Foto Helder Tavares.

O Governo Federal sancionou a lei que libera linha de crédito de até R$ 1,4 milhões para micro e pequenas empresas no enfrentamento aos impactos da pandemia sobre seus negócios.

Com prazo total para pagamento de 36 meses, é possível obter o empréstimo de até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício de 2019. O crédito atende empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões.

A taxa máxima de juros é igual à Selic mais 1,25% ao ano e os empréstimos poderão ser solicitados no prazo de três meses.

Na avaliação da Assespro, a decisão é essencial para o funcionamento de serviços públicos e privados, pois muitas empresas do setor de TI têm dificuldades de dar garantias reais para a obtenção do crédito.

“Esse é uma vitória do trabalho que estamos fazendo na busca da manutenção dos empregos e da solução de caixa das empresas de tecnologia da informação e comunicação”, avalia Italo Nogueira, presidente da Federação Assespro.

No entanto, a lei pode não socorrer o setor de TI, pois muitas empresas têm dificuldades para garantias de crédito. 

“Entendemos que ainda não chegamos no melhor modelo, pois o setor possui problemas de garantia real, mas estamos ajudando e pressionando os governos federais, estaduais e municipais para chegarem com as soluções que possam resolver”, avalia Nogueira.

A Federação lamenta, ainda, o veto para a carência de oito meses para o início de pagamento, pois ela daria um reforço às empresas que sofrem com a queda nas receitas nesses primeiros meses de crise.

Fundada em 1976, a Federação Assespro reúne mais de 2,5 mil empresas do setor de TIC por intermédio de 13 regionais com diretoria própria.