SAÚDE

Governo e multis reforçam polo de saúde em SC

20/12/2012 11:56

Sanofi, Teva, Lubrizol, Heraeus Kulzer e SanCor irão fortalecer Polo de Saúde de Itajaí.
 

Governo e empresas assinam convênio para instalação de multinacionais em SC. Foto: James Tavares/Secom.

Tamanho da fonte: -A+A

As multinacionais do ramo farmacêutico e de aditivos Sanofi, Teva, Lubrizol, Heraeus Kulzer e SanCor assinaram um protocolo de intenções com o governo de Santa Catarina para se instalar no estado.

Conforme o governador catarinense, Raimundo Colombo, o objetivo é fortalecer o Polo Logístico de Saúde, instalado em Itajaí, que já conta com 17 empresas e tem previsão de faturamento na casa dos R$ 3 bilhões para o próximo ano.

A meta, segundo o governante, é construir um marco de importação e distribuição de produtos para todo o Brasil a partir de Santa Catarina.

“As companhias vieram ao estado pela qualidade da nossa mão de obra, posição geográfica, eficiência portuária, rodoviária e aeroportuária, e isso temos que melhorar cada vez mais”, afirmou Colombo.

O acordo governo/empresas prevê uma parceria com a Fundação de Apoio à Pesquisa Cientifica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc), visando à pesquisa e desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos.

Além disso, estabelece que as companhias devam contratar serviço de transporte rodoviário de cargas exclusivamente de transportadoras instaladas no estado.

 As indústrias se comprometem também a possuir, no mínimo, 150 funcionários diretos a partir de, no máximo, 180 dias contados da data de início de funcionamento.

“É importante que se crie condições de desenvolvimento no Estado, não só na logística”, afirma o diretor da Sanofi, Heraldo Marquezini.

A Sanofi atua em mais de 100 países. O grupo farmacêutico é, segundo dados próprios, o maior do setor na Europa.

A Teva fabrica medicamentos genéricos e tem sede em Israel, operando em 60 países, com  46 mil funcionários.

A Lubrizol do Brasil é especializada na produção de aditivos para lubrificantes e combustíveis.

A companhia produz, em média, 29 mil toneladas de aditivos por ano para vários segmentos e também opera na área de produtos químicos para cosméticos e fármacos.

A Heraeus desenvolve e fabrica produtos para indústrias, pesquisas e medicina/odontologia.

Já a SanCor tem matriz na Argentina e atua em produtos lácteos e alimentícios, atendendo ao Mercosul, EUA, Chile, Bolívia, Japão, Espanha, Peru, Holanda, Colômbia, Tailândia, Alemanha, França, Argélia, México, Itália, Filipinas, os Emirados Árabes, Rússia e Canadá, entre outros.

SETOR EMBALADO
A saúde é um dos setores que mais tem se movimentado em Santa Catarina, atraindo investimentos de todos os lados, inclusive da TI.

No setor, multinacionais como a Intel têm ficado de olho no estado. A gigante de chips, por exemplo, já investiu em empresas locais como a Pixeon, na qual fez aporte em setembro deste ano para facilitar uma fusão com a Medical Systems, gerando a Pixeon Medical Systems (PMS).  

Já em junho deste ano, a catarinense Manager Systems foi adquirida pela 7 Medical Systems, do segmento de gestão sob demanda de imagem digital, registros médicos eletrônicos e soluções para o gerenciamento de serviços médico.

A negociação, cujos valores não foram revelados, foi a quarta grande movimentação no ramo da TI e saúde no estado em pouco mais de um ano.

Antes, já vinham na esteira Intel, Philips, com compras; e Siemens, com investimento de R$ 50 milhões em uma fábrica da divisão Healthcare em Joinville.

O anúncio da Siemens foi feito em maio de 2012, com meta de iniciar atividades na nova unidade ainda este ano, com capacidade de até 300 equipamentos de tomografia e afins por ano.

Nos casos da Philips, a atração em Santa Catarina foi a Wheb Sistemas, de Blumenau, que a companhia comprou no começo do ano passado.

A adquirida é focada em ERP para a saúde e, segundo declarou à época da compra o CEO da Philips Healthcare, Steve Rusckowski, será o “combustível do crescimento na região nos próximos anos”.

Veja também

NA MIRA
Siemens, Phillips, Intel: SC atrai $$ para saúde

Siemens vai investir R$ 50 milhões em fábrica de Healthcare em Joinville. Intel investiu na Pixeon, de Florianópolis.  Philips comprou Wheb, de Blumenau. SC: que saúde!

Intel Capital entra em saúde na AL com Pixeon

A Intel Capital, divisão de investimentos da fabricante de chips, anuncia sua entrada no mercado de TI para saúde na América Latina com um aporte na catarinense Pixeon.

Conforme David Thomas, diretor Executivo da Intel Capital para a região, a tecnologia da empresa de Florianópolis tem em aberto um mercado de mais de 14,5 mil hospitais e clínicas no Brasil.

VIRTUAL
Santa Catarina quer certificação digital

Apesar de ainda não saber o investimento necessário em hardware e software para a montagem de uma autoridade certificadora própria, governo já conta com R$ 10 milhões do BNDES para o projeto.

TECPREV
Acate lança plano de previdência para TI

TecPrev entra em funcionamento até março de 2013, administrado pela Mongeral Aegon, um dos dez maiores grupos de previdência privada do mundo.

AGILIDADE E ECONOMIA
União Saúde: nuvem com MS

Com Office 365 na nuvem, operadora catarinense de plano de saúde otimiza infra e economiza.

AUDITORIA
E&Y de olho na saúde brasileira

Pesquisas indicam que o setor deverá ter alta 9,19% no faturamento neste ano, estimulado pela expansão de 2,22% no volume de vendas.

SAÚDE
PMS compra carteira da Vepro

Empresa resultante da fusão entre Pixeon e Medical Systems agregou uma base instalada de mais de 250 sistemas de saúde.