O Congresso Internacional de Proteção de Dados, que irá discutir os rumos do uso de dados. Foto: Pexels.

Nos próximos dias 26 e 27 de novembro, São Paulo sediará o Congresso Internacional de Proteção de Dados, que irá discutir os rumos do uso de dados e quais as principais ações que as empresas precisam tomar sobre coleta, gestão e uso de dados pessoais. 

Organizado pela LEC Legal, Ethics & Compliance e a Associação Brasileira de Proteção de Dados (ABPDados), o evento será realizado World Trade Center (WTC), em São Paulo, e deve receber 300 profissionais.

O encontro focará discussões sobre o uso ético e seguro de dados pessoais sob diversas perspectivas, incluindo jurídica, de compliance, tecnologia, gestão e negócios. 

No primeiro dia, durante o Workshop Day, serão realizadas 9 atividades, como "Implementação jurídica da LGPD e a figura do Encarregado (DPO)" divididas em três salas simultâneas. O segundo será dedicado aos painéis, com 7 temas confirmados, como "Data Breach - Como não perder 50 milhões de reais por infração: debate sobre aplicação de sanções e medidas para mitigá-las".

De acordo com Marcio El Kalay, sócio da LEC, o evento trará informação suficiente para os profissionais implementarem as metodologias em suas empresas. 

"Teremos conteúdo prático, com os mais capacitados especialistas da área", acrescenta.

Segundo Rony Vainzof, fundador e vice-presidente da ABPDados, o mercado precisa iniciar a adaptação a partir da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

“Estamos vivendo uma nova fase do compliance, que agora, além do combate à corrupção, visa o uso ético e seguro dos dados pelas entidades públicas e privadas", ressalta. 

A primeira edição do evento no Brasil receberá nomes como Sophie Kwasny, head of the Data Protection Unit of the Council of Europe, que participará do painel "LGPD x GDPR, EUA e LATAM: o desafio da aplicação extraterritorial de legislações no contexto da economia globalizada", no dia 27, às 11h25.

Outros nomes confirmados são Demi Getschko, conselheiro do CGI.br, diretor-presidente do NIC.br e professor associado da PUC; Guilherme Roschke, Counsel for International Consumer Protection at the Federal Trade Commission; Daniel Ackerman, Intellectual Property Law Enforcement Coordinator at U.S. Department of Justice; Ilene Patricia de Noronha Najjarian, Procuradora Federal lotada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM); Luana Lund, do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), e outros.