BRIGA

Febraban ataca Nubank no LinkedIn

20/09/2021 15:22

Para a Federação, as fintechs querem “pagar menos impostos, gerar menos empregos e ter poucas obrigações”.

Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) fez uma crítica afiada às fintechs no LinkedIn no último sábado, 18, atacando diretamente o Nubank e a Zetta, associação fundada pelo Nubank e Mercado Pago no início do ano.

Tudo começou na quinta-feira, 16, quando a Zetta publicou na rede social uma comparação entre grandes bancos e fintechs, citando um estudo do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

“A verdade sobre assimetrias: tarifas dos grandes bancos, que reclamam da perda de competitividade, saltam acima da inflação durante a pandemia, enquanto as tarifas das fintechs são mantidas”, dizia a postagem.  

Na publicação, a Zetta citou Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Banco Itaú, Banco Santander e Safra, salientando que o único que não elevou tarifas acima da inflação foi o Safra.

Segundo o estudo, os bancos digitais Nubank, Agi, Neon, Banco Original, Superdigital, Inter e Banco Next teriam mantido os preços.

Dois dias depois, a Febraban decidiu rebater.

“A Zetta não contou que o Nubank, que tem cara, porte, produtos e até nome de banco, prefere não se dizer banco, mas cobra juros mais altos dos seus clientes do que a média dos cinco ou 10 grandes bancos brasileiros. Olhe bem!”, dizia a postagem.

Segundo a Federação, na última semana de agosto a taxa média do juro do cartão rotativo do Nubank era de 291,67% ao ano, maior que a média dos cinco grandes bancos, de 271,68%.

No crédito pessoal não consignado, a taxa média cobrada pelo Nubank teria sido de 62,86% no final de agosto, enquanto a média dos 10 grandes bancos era de 54,54% ao ano e dos cinco grandes, 60,65%.

A instituição disse que “a Zetta também não conta que as fintechs pagam bem menos impostos que os bancos”. Segundo a publicação, os bancos pagam 45% sobre lucro, sendo 25% de IR e 20% de CSLL, enquanto as fintechs pagam 9% ou 15% de CSLL. 

“A ‘verdade’ verdadeira é que as grandes fintechs gostam mesmo é de pagar apenas ‘meia entrada’ e em nada se diferenciam dos bancos. Aliás, só não são bancos para pagar menos impostos, gerar menos empregos, ter poucas obrigações regulatórias e trabalhistas”.

A nota ainda questiona o quanto as fintechs contribuíram para tirar o Brasil da crise na pandemia e o quanto deram de crédito, citando que os bancos deram R$ 5,7 trilhões de crédito e R$ 2 bilhões para a saúde.

“Não temos vergonha de sermos bancos, muito ao contrário, e também não nos escondemos atrás de letras, marketing e grifes”, afirmou nominalmente Isaac Sidney, presidente da Febraban, na publicação.

A Zetta e o Nubank ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Veja também

FINTECHS
Asaas compra Code Money

Esta é a segunda aquisição da empresa em 2021, após receber um aporte de R$ 37 milhões.

LOCAIS
Banrisul coloca fintechs em museu

Novo BanriTech fica localizado no coração de Porto Alegre, perto da sede do banco.

BIOMETRIA
Asper investe em direitos de uso da Ntechlab

A ferramenta de reconhecimento facial é baseada no algoritmo FindFace.

E-COMMERCE
PicPay cria marketplace com VTEX

Com início no final do ano passado, o projeto foi ao ar em menos de cinco meses.

CHATBOTS
Ex-Facebook assume marketing da Botmaker

Federico Biquard agora é head de business marketing da empresa no Brasil e na América Latina.

CURRÍCULO
Ex-Netflix é a nova CFO da Movile

Andrea Spinelli já liderou a área financeira em empresas como Facebook, Microsoft e Oracle.