VELHO NORMAL

Amazon aposta em escritórios

20/08/2020 06:52

Gigante de e-commerce não embarcou na tendência do home office e vai ampliar o espaço em 850 mil m².

Amazon prevê volta a normalidade de sempre. Foto: San Diego Air and Space Museum.

Tamanho da fonte: -A+A

A Amazon parece não ter comprado o discurso prevalente no setor de tecnologia, pelo qual os escritórios estão com os dias contados, ou pelo menos em declínio como centro do ambiente de trabalho.

A gigante de e-commerce anunciou planos de agregar 850 mil metros quadrados de escritórios corporativos nas suas operações de Nova Iorque, Phoenix, San Diego, Denver, Detroit e Dallas nos próximos dois anos.

Para se ter uma ideia, 850 mil metros quadrados são o equivalente a 119 campos de futebol.

O novo espaço deve abrigar 3,5 mil funcionários em posições corporativas aos quase 100 mil que a empresa já tem hoje (outros 500 mil trabalham nas operações).

Os empregos incluem todo tipo de divisões, incluindo Alexa, anúncios e a divisão de computação em nuvem, a AWS.

A pandemia e o consequente crescimento das vendas online aqueceram muito os negócios da Amazon, cujo faturamento cresceu 40% no último trimestre na comparação anual, ao mesmo tempo que a economia americana como um todo caia 33%.

Ampliar a equipe é então uma decisão natural, mas a decisão de crescer junto o espaço de escritório vai contra o que andam dizendo algumas das principais empresas de tecnologia dos Estados Unidos, para quem o trabalho desde casa veio para ficar.

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, previu em maio que a metade dos funcionários da empresa trabalharia desde casa em 10 anos. O Twitter se comprometeu com a continuidade do home office indefinidamente.

Mesmo no Brasil, algumas grandes empresas anunciaram movimentações nesse sentido. 

A Stefanini está preparando o que até agora é a virada mais ambiciosa de uma grande empresa de tecnologia para o home office de maneira permanente após a pandemia do coronavírus no Brasil.

O projeto, batizado de Stefanini Everywhere, tem por meta que metade do time trabalhe em home office num prazo de 12 a 18 meses, sendo 60% dessa equipe de maneira permanente e outros 40% de maneira parcial.

É uma mudança enorme para uma empresa que tem 25 mil funcionários (14 mil no Brasil) e tinha antes da crise uma prática mínima de home office, limitada a 120 profissionais na Europa.

Ontem, a empresa chamou atenção no Baguete com o lançamento de uma cabine, destinada a dar privacidade para os funcionários trabalhando em casa.

Veja também

COMUNICAÇÃO
Via Varejo: rede social interna com Dialog

Plataforma também reúne serviços de RH para os cerca de 47 mil profissionais da companhia.

MÉTODOS
Agilismo pode ajudar no home office

Dos 12 princípios ágeis, podemos falar de cinco bem úteis para produtividade no trabalho remoto.

NOVO NORMAL
Home office é igual a mais trabalho?

Na Microsoft, funcionários estão conectados por mais horas, inclusive nos finais de semana.

MAIS UM ANO
Google: home office até julho de 2021

Volta estava prevista para julho, foi adiada para setembro e agora ficou para daqui a 12 meses.

MEDIDAS
AMcom: volta ao escritório só com vacina

Empresa de Blumenau vai manter home office até surgir uma vacina para a Covid-19.

NOVO NORMAL
Petrobras deve pagar custos de home office

Justiça Trabalhista diz que estatal precisa reembolsar custos de energia, dados e equipamento.

CLIMA
Ipiranga ouve colaboradores com Qualtrics

Além dos funcionários essencialmente presenciais, empresa tem cerca de 1,5 mil em home office.

HOME OFFICE
Fujitsu fecha metade dos escritórios

Gigante japonesa vai colocar 80 mil funcionários para trabalhar em casa.