Wagner Tadeu. Foto: divulgação.

A NetApp, multinacional do segmento de equipamentos de storage e backup, anunciou um crescimento de 94% em seu faturamento no 1º trimestre de 2015 (maio a julho de 2014), em relação ao mesmo período no ano fiscal de 2014.

O avanço é um resultado de um reposicionamento da empresa no mercado local, assim como o investimento na busca de novos clientes e contratos maiores no país, com empresas grandes do setor financeiro e governo.

De acordo com o country manager da empresa, Wagner Tadeu, em 2013 a empresa teve uma receita na casa dos R$ 100 milhões. Entretanto, por ter ações listadas na bolsa de Nova York, a multinacional não divulga dados de expectativas de resultado para 2014.

A empresa também não abre nomes de clientes, mas o gerente revelou à reportagem do Baguete que a empresa fechou contratos de valores acima de R$ 3 milhões com bancos, entre outras empresas, nos últimos doze meses.

A multinacional, que até este ano operava no país através de canais, ampliou recentemente seu escritório em São Paulo. Atualmente, a companhia tem no país cerca de trinta canais, que atendem a contas específicas.

Além disso, a empresa está investindo em equipes de suporte locais e expansão de sua base de canais. Uma filial na região sul (Porto Alegre ou Curitiba) também esá nos planos.

Para Tadeu, que deixou em abril passado o comando nacional da Symantec para assumir o cargo de country manager da NetApp no Brasil, já foram investidos cerca de US$ 2 milhões este ano para explorar mais as oportunidades no país, no qual a empresa já tem operações há cerca de dez anos.

"Investimos em uma série de ações para aumentar nossa participação no país. Estamos com outros projetos em andamento para reforçar isso", destaca o executivo.

Entre estes projetos, a NetApp está em negociação com fábricas brasileiras para iniciar a manufatura de equipamentos localmente, manobra para reduzir preços e aumentar a competitividade, frente a rivais do segmento como EMC e Hitachi.

"Em relação a algumas destas empresas, que já tem linhas fabricadas internamente, estamos até atrasados neste quesito", reconhece o executivo.

Além do setor financeiro e governamental, a NetApp também mira operadoras e provedores de internet como um potencial mercado para a adoção de seus produtos. Segundo Tadeu, a tendência é que clientes maiores formem a principal fatia da empresa.

"Com o avanço de aplicações e serviços na nuvem, o mercado de storage e data centers se tornará uma briga de cachorro grande. Temos portfólio para pequenas e médias empresas, caso haja o interesse, mas o mercado se concentrará em clientes maiores", avalia Tadeu.

Para aumentar a competitividade nessa corrida com outras marcas fortes, a empresa também aposta em parcerias de peso como Cisco. No mercado desde 2010, a solução de infraestrutura integrada FlexPod gerou US$ 3 bilhões de dólares em vendas conjuntas.

Segundo a companhia, nos últimos quatro anos, a entrega de unidades FlexPod cresceu a uma taxa de 81% ao ano e o fluxo de pedidos aponta para um faturamento de US$ 2 bilhões anuais nos próximos anos. A solução está entre uma das grandes apostas da NetApp no Brasil.