Mulheres correspondem por 13% do mercado de TI no país. Foto: Divulgação

Para incentivar o interesse do público feminino em programação e ciência da computação, o Google anunciou nessa quinta-feira, 19, um investimento de US$ 50 milhões em um programa denominado Made With Code.

A campanha é uma resposta clara a divulgação dos dados de diversidade da empresa que diziam que apenas 17% dos funcionários da área técnica da companhia são mulheres.

O site do programa conta com aulas sobre programação abertas ao público. O portal chama a atenção pela diagramação e design claramente mais delicados e femininos.

A situação do Google é uma constante no mundo de tecnologia. De acordo com uma pesquisa feita pelo banco de currículos Apinfo, as profissionais mulheres correspondem por 13% do mercado de TI no Brasil.

Muitos acreditam que o baixo número de mulheres na área de TI tem a ver com uma suposta inclinação dos homens para as abstrações matemáticas, trabalho introversivo e competitivo da área de exatas.

Para o grupo Mulheres da Tecnologia (MNT), uma iniciativa online fundada em 2012 visando promover a participação ativa das mulheres no mercado de TI, o problema tem muito mais a ver com maneira com a qual essa suposta superioridade masculina fomenta preconceitos e estereótipos que afugentam as mulheres do setor e fazem o progresso na carreira ser mais difícil para as que entram.

Para driblar essa realidade, empresa como a ThoughtWorks, multinacional de desenvolvimento de software, fomentou o aumento de profissionais do sexo feminino em seu portfólio de colaboradores. Com isso, estabeleceram que 20% de sua carteira seriam mulheres ligadas as área técnica em 2013.

A meta representou um salto de cinco pontos percentuais sobre os 15% existentes na época e mais um passo na busca da meta global de ter uma equipe dividida meio a meio entre os sexos. A companhia tem 170 funcionários no Brasil.

Em nível mundial, a ThoughtWorks tem 27% de funcionárias na área técnica. Na Austrália, o número chega a 30% e metade dos funcionários júnior contratados são mulheres.