Bill Nuti, CEO da NCR. Foto: www.ncr.com

A fabricante norte-americana de caixas eletrônicos NCR acaba de comprar as brasileiras POS Integrated Solutions, Wyse Sistemas de Informática e Radian Distribuition Solutions (RDS).

O valor das negociações não foi revelado.

A POS se desmembrou da Sonda Procwork em 2010, quando passou a focar sistemas de automação para o varejo.

Já a Wyse é fornecedora do Esys Colibri, software utilizado por 16 mil empresas, e a RDS é distribuidora no país dos produtos da americana Radiant Systems, que a NCR comprou ano passado por US$ 1,2 bilhão.

A NCR é conhecida por ser a fabricante da lendária caixa registradora.

Conforme divulgado pela empresa, as novas aquisições põem em prática uma estratégica de diversificação de atividades no Brasil iniciada ainda em 2007.

Além de manter-se forte no segmento financeiro, especialmente com equipamentos, a companhia agora reforça a oferta de automação comercial, o que permitirá expandir para segmentos como varejo e restaurantes, por exemplo.

Segundo declarou em entrevista ao Valor Econômico o executivo-chefe da NCR, Bill Nuti, o foco é investir para liderar os nichos nacionais de autoatendimento e sistemas de venda em lojas, canais online e dispositivos móveis.

A companhia tem em Manaus uma de suas cinco fábricas mantidas no mundo, em uma unidade compartilhada pela Scopus, do Bradesco.  

Conforme contou o executivo, o país tem hoje fatia em torno de 5% da receita global da NCR, que em 2011 faturou US$ 5,4 bilhões.

Dentro de três anos, a projeção é que a participação do Brasil suba para 8%, com elevação ao dobro do número de colaboradores, que com as compras recentes subiu de 600 para 850.

Por aqui, a NCR já era concorrente da gaúcha Perto e da Itautec, por exemplo, no mercado de ATM.

Agora, se coloca na linha de tiro com a Bematech, dona do campinho da automação comercial no país.

Não sem motivo: uma pesquisa da própria Bematech divulgada pelo Valor indica que o nicho destes sistemas ainda tem muito a ser explorado no Brasil.

O estudo mapeou 3,1 mil companhias, das quais 31,6% estão automatizadas. O resto, é campo para venda.

Um campo que chama atenção também no setor de restaurantes .

“De acordo com a Euromonitor, espera-se que os gastos em restaurantes no Brasil cresçam a uma taxa anual de 9 a 10%”, informa Tad Phelps, vice-presidente de vendas para as Américas da NCR Hospitality.

Segundo ele, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 também atraem investimmentos.

“Investimentos significativos em infraestrutura terão de ser realizados nas operações de serviços alimentares e varejo para suportar a quantidade de pessoas que visitarão o país”, finaliza o executivo.

A NCR tem sede em Duluth, na Geórgia, e atende a clientes de mais de 100 países.