Arapongas terá anel óptico. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O município paranaense de Arapongas, a cerca de 35km de Londrina, está investindo no conceito de cidade digital, implantando uma rede metroethernet com tecnologias de transmissão de dados através de fibra óptica, enlaces de rádio e distribuição Wi-Fi.

Concluído o projeto, a cidade de 112 mil habitantes se tornará a 82ª cidade digital do Paraná e a primeira do Estado a utilizar uma arquitetura de rede óptica passiva (PON) para sua infraestrutura.

Com um investimento total de R$ 6,9 milhões, verba do Ministério da Ciência e Tecnologia, o projeto terá infraestrutura de rede da Furukawa e equipamentos PON da Parks.

A Furukawa ganhou na licitação o lote 3 (Cabeamento Óptico e Rede PON), através de seu parceiro comercial e técnico DN Conectividade, que deve entregar a obra em oito meses. Ao lote 3 estão designados R$ 1.759.522,33.

Segundo explica Vagner Mantovani, diretor de TI da Prefeitura de Arapongas, o anel óptico terá 21km de fibra, percorrendo toda a área urbana da cidade. Ele é projetado para trafegar em velocidade de 10 Gigabits/s com protocolo metroethernet, comportando dados, telemedicina, videoconferência, educação, governo, monitoramento, voz, entre outras funcionalidades.

A partir do anel de fibra, os sinais serão distribuídos em rede óptica PON para diversos pontos da área central, cobrindo um diâmetro de aproximadamente 55 Km².

Desta forma, a rede é capilarizada para todas as secretarias de governo, utilizando os postes de energia, por onde passam também os cabos de todas as operadoras de telecom na cidade, e para as torres que serão instaladas para a distribuição de sinal Wi-Fi.

“Toda a rede será aérea, utilizando os postes de transmissão de energia já existentes. Entretanto, para atingirmos algumas áreas especiais, necessitaríamos atravessar trechos de rodovias estaduais e federais além de áreas rurais. Nestes casos utilizaremos radiofrequência”, observa o diretor de TI da Prefeitura.

A cidade de Arapongas tem 112 mil habitantes e é o 2° maior polo moveleiro do Brasil. Em arrecadação, o município está entre os 10 primeiros do Paraná.

De acordo com Mantovani, o investimento em conectividade tem o objetivo de beneficiar os cidadãos e atrair empresas do setor de TI e de data centers.

"Nosso projeto, além de dar ao Paraná visibilidade no contexto das Cidades Digitais é inovador por optar por um modelo híbrido de fibra óptica e radiofrequência, que permite a utilização da maioria dos recursos multimídia por parte da administração da cidade”, diz Mantovani.